Na Prateleira: Uma Cilada Para Roger Rabbit (1988)

Nossa avaliação

Muito antes de fazer filmes que misturam atores com animação digital, Robert Zemeckis já havia testado a fórmula em “Uma Cilada Para Roger Rabbit”. Lançada no final da década de 80, a produção que misturava gente “de verdade” com desenho animado foi uma sensação graças à sua tecnologia inovadora. Em uma época pós-“Jurassic Park”, pós-“Senhor dos Anéis” e pós-“Avatar” é difícil explicar o impacto que foi assistir à aventura do coelho Roger no cinema. A premissa já era fantástica (baseada no livro de Gary K. Wolf): os desenhos animados são seres tridimensionais, atores contratados pelos estúdios de Hollywood para fazerem seu trabalho em frente às câmeras. Enquanto não filmavam, interagiam com pessoas reais.

Para uma criança como eu, com pouco mais de sete anos de idade, aquilo era mágica. A idéia de atores contracenando com animação não era nenhuma novidade, já tendo sido usada em uma cena de “Mary Poppins”, em 1964. Mas a maneira como os elementos se combinaram foi única. Para começar, além de humanos e desenhos, havia personagens icônicos juntos pela primeira (e única) vez. Graças ao acordo entre Disney e Warner, foi possível assistir a encontros como Patolino e Pato Donald, Mickey e Pernalonga. A diversão infantil estava mais para reconhecer na tela seus personagens preferidos a propriamente acompanhar a história, sombria e confusa até para os adultos. Isso acontecia porque, apesar de toda a publicidade, “Uma Cilada Para Roger Rabbit” não é um filme infantil.

O inovador projeto que custou 45 milhões de dólares e levou três anos para ser feito é um suspense noir. O roteiro e os personagens parecem saídos diretamente de filmes como “Relíquia Macabra” e “A Marca da Maldade”, enquanto a fotografia é puro “Chinatown”. Some-se a isso uma mulher fatal vestida de vermelho (Jessica Rabbit), um inocente de temperamento instável acusado de assassinato (Roger Rabbit) e um detetive particular alcoólatra (Eddie Valiant) e pense de novo: este é um filme para crianças?

Passado na Los Angeles do final dos anos 40, “Uma Cilada Para Roger Rabbit” é um poço de referências cinematográficas da época. É impressionante a quantidade de detalhes que Zemeckis, o produtor Steven Spielberg e os roteiristas Jeffrey Price e Peter Seaman conseguiram colocar em cada cena, fazendo com que o filme seja uma experiência diferente a cada nova visita. Mas isso não teria muita importância se a produção não desse conta de cumprir sua proposta central: juntar o “mundo real” com o mundo animado. E isso, “Roger Rabbit” fez de forma inédita.

Para além das inovações tecnológicas – que perdem muito em uma revisão atual, com visíveis falhas nos efeitos especiais -, o filme consegue criar um universo verossímil onde desenhos e humanos convivem. Ao mesmo tempo em que os primeiros parecem reais, os segundos são caricatos, como se fossem animações. Do encontro surge uma realidade plausível co-habitada por ambos.

A ambientação na metade do século passado permite a brincadeira com as histórias politicamente incorretas da época, como um bebê fumando charuto e desenhos animados bêbados. Os diálogos também são um primor da ironia sexy dos filmes noir: “Eu não sou má… Só fui desenhada assim” ou “Você tem um coelho na calça ou só está feliz em me ver?”.

Abrindo com um curta que parece ter saído diretamente das animações de Tex Avery, “Uma Cilada Para Roger Rabbit” aproveita uma era de desenhos animados “sacanas”, sem muito freio moral, para contar uma história de suspense e assassinato. Afinal, personagens como Pica-Pau e Pernalonga passam longe de serem exemplos de virtude e não seria surpresa nenhuma matarem alguém. O coelho Roger está inserido nesse meio de personagens imprevisíveis, capazes de fazer qualquer coisa.

Acusado de matar o provável amante de sua esposa Jessica, Roger é caçado por um juiz que descobriu um modo de matar os desenhos, ao derretê-los naquilo que chama de “o caldo” (já contei que essa não é uma aventura infantil?).

O filme se desenvolve em um ritmo crescente, mas diminui a força em um clímax pouco emocionante. A “naturalidade” que havia até então na relação entre humanos e desenhos se perde, e os furos na mirabolante trama aparecem mais claros do que um buraco portátil Acme. Além disso, os personagens humanos são pouco interessantes, com exceção de Eddie Valiant.

Interpretando o detetive, Bob Hoskins está excelente contracenando com o nada (em um papel que só não foi para Clint Eastwood porque o ator foi eleito prefeito de Carmel). É principalmente graças a ele que conseguimos comprar a idéia de que aqueles personagens animados realmente existem e estão ali, presentes ao seu lado. Eddie é o único que ajuda Roger a tentar provar sua inocência e isso o leva à Toontown, uma cidade animada onde os desenhos vivem.

Ao atravessar um túnel, o detetive deixa a escura Los Angeles e entra em um mundo colorido, onde o sol canta e tudo parece estranhamente perfeito e insano. A transição de uma realidade para a outra lembra a saída de Dorothy de sua casa preto e branco para o mundo em technicolor de “O Mágico de Oz”.

Em seu encalço está o juiz Doom. Em uma divertida atuação de Christopher Lloyd, o vilão da história é a personificação do pano de fundo social que permeia todo o filme: os desenhos estão separados da sociedade, marginalizados no “gueto” que é Toontown. São proibidos de freqüentar bares e casas noturnas, onde só entram para se apresentarem ou servirem as mesas (e isso fica mais claro na cena em que a ex-estrela Betty Boop não tem mais direito ao palco por não ser colorida).

A mistura de crítica social e suspense de literatura pulp com o ritmo ágil dos desenhos animados e personagens facilmente reconhecíveis faz de “Uma Cilada Para Roger Rabbit” uma experiência cinematográfica única.

Quando Jessica Rabbit colocou a perna para fora da cortina no início de seu show, ela entrou direto para a história do cinema. A antológica cena é ao mesmo tempo bonita, divertida, glamourosa e sexy. Em uma das mais perfeitas apresentações de um personagem, as formas de Jessica, sua voz, a música que canta e seu andar são o ápice da revolução de “Uma Cilada Para Roger Rabbit”: uma mulher que não existe, mas é absurdamente crível.

A tecnologia é indispensável para que a ilusão funcione, mas só acreditamos (e desejamos) em Jessica porque foi cuidadosamente criado um mundo com personagens, diálogos e referências que permitissem que sua existência, mais do que possível, fosse real.

E mais de vinte anos depois, ainda é.

4 Comentários

  • Lívia Aguiar
    Em 7 de novembro de 2010 16:31 0Likes

    é uma pena que o filme cai na segunda metade. Queria ver mais animações com Roger e Jessica!

  • Anderson Oscar
    Em 6 de fevereiro de 2013 17:18 0Likes

    Só faltou aparecer mais o Pica-Pau.

  • Trackback: O Voo - Pílula Pop
  • Trackback: Detona Ralph - Pílula Pop

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • A gente
  • Home
  • Retro
  • Homeopatia
  • Overdose
  • Plantão
  • Receituário
  • Ressonância
  • Sem categoria
  • 2022
  • 2021
  • 2020
  • 2019
  • 2018
  • 2017
  • 2016
  • 2015
  • 2014
  • 2013
  • 2012
  • 2011