127 horas

Nossa avaliação

[xrr rating= 5/5]

Leia uma resenha alternativa de “127 horas” aqui.

Dizem que o que nos torna humanos é a presença do polegar opositor. Mas o polegar opositor direito de Aron Ralston (Franco) é massacrado por uma pedra logo no início de “127 horas”, deixando-o preso em uma fenda pelo período do título. E ele continua sendo – bastante – humano. Então qual seria o diferencial que nos separa da Lady Gaga e do Thom Yorke de animais e plantas?

Durante o filme do diretor Danny Boyle, a única pergunta que martelava minha cabeça o tempo todo era “por que esse cara luta tanto para viver? Por que ele não desiste?”. Mesmo encarando algumas das cenas mais aflitivas, angustiantes e claustrofóbicas que o cinema proporcionou nos últimos tempos, eu só conseguia enxergar um cara com uma presença de espírito admirável e imaginar o que (e se algo) me faria agarrar com tamanha determinação à minha vida.

O grande mérito do roteiro de Simon Beaufoy, da direção de Boyle e da montagem de Jon Harris é transformar esse porquê em cinema. Nos rápidos flashbacks de Aron com a família, em seu apartamento ou com a ex-namorada (Poésy), vemos uma vida a ser vivida. Erros a serem remendados. Um jovem arrogante (uma característica MUITO humana) que se dá conta de que ainda tem muito a crescer e melhorar e reparar.

E isso mostra que Aron não lutou para sobreviver. Ele queria Viver. Para mim, eis aí a resposta: o que nos torna humanos é a capacidade de dar sentido às coisas. De encontrar uma estranha satisfação espiritual no atingir o cume de uma montanha. De enxergar beleza em um lago ou um quadro. De se apegar a uma memória e saber que aquela mera lembrança significa que você tem uma família. A nossa capacidade de Viver e não simplesmente sobreviver.

Ooops.

A história de Ralston – e o filme de Danny Boyle – é uma ode a isso. Ao utilizar trechos de comerciais, ícones pop ou montagens rápidas, o diretor não está só criando uma decupagem que torna o longa mais dinâmico (e suportável). Ele está confirmando que, realmente, imagem não é nada, sede é tudo. Aquela iconografia por si não seria nada, mas ao nos darmos conta do sentido que ela tem para nós – e do que ela passa a significar para Aron naquela situação – “127 horas” se torna puro cinema. Uma narrativa mental que supera a mera imagem, a exemplo de “Mar adentro” e “O escafandro e a borboleta”.

Por fim, essa realização técnica impecável ganha ‘alma’ na performance de Franco, honrando o espírito de Aron sem jamais “se desesperar”; e na ótima trilha de A.R. Rahman. Um respiro pop em meio à dor constante da trama, ela é (como a música sempre deveria ser) a ferramenta de Boyle para lembrar, mesmo nas cenas e nos momentos mais difíceis, que ainda vale a pena lutar. Viver.


P.S.: Se eu estivesse preso por uma pedra em uma fenda ´por 5 dias, gostaria de que a voz que cantasse no meu ouvido para eu resistir e sobreviver fosse a da Dido. Mesmo.

6 Comentários

  • William
    Em 19 de fevereiro de 2011 19:16 0Likes

    Cara, a voz da Dido é um veludo só. Sempre lamentei o fato de a música ser uma merda.

  • lizy lopes
    Em 23 de fevereiro de 2011 0:14 0Likes

    “imagem não é nada, sede é tudo” realmente, assistindo o filme essa frase vinha a minha cabeça o tempo todo!!!

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • A gente
  • Home
  • Retro
  • Homeopatia
  • Overdose
  • Plantão
  • Receituário
  • Ressonância
  • Sem categoria
  • 2020
  • 2019
  • 2018
  • 2017
  • 2016
  • 2015
  • 2014
  • 2013
  • 2012
  • 2011
  • 2010
  • 2009