A A
RSS

6 opções para o Casal 20

por

14 de junho de 2011

Cinema, Overdose

Algumas semanas atrás, foi anunciado que Martin Scorsese adquiriu os direitos do livro “Furious love”, que narra o turbulento e apaixonado romance entre Elizabeth Taylor e Richard Burton nos anos 60/70. Qualquer filme sobre um dos casais – senão O casal – mais icônicos de Hollywood já desencadearia sinapses descontroladas no cinéfilo mais incauto. Um dirigido pelo principal cineasta norte-americano vivo é de arrancar os cabelos de ansiedade.

Como nossos poucos fios já se esvaíram completamente nos últimos dias e a produção ainda deve demorar, já que Scorsese tem a finalização de “Hugo Cabret”, além de “Silence” e “Sinatra” na fila, tivemos que arrumar algo para passar o tempo. E como não temos uma vida para cuidar, optamos pelo que fazemos de melhor: especular.

A escolha dos atores que interpretarão o casal protagonista será, com certeza, uma das escalações mais cobiçadas, comentadas e disputadas em Hollywood nos próximos anos. Parte do talento do diretor nova-iorquino é saber colocar o ator certo no papel certo e extrair dele a performance que se encaixa perfeitamente no universo criado pelo resto da produção. A gente confia piamente no tino de Mr. Martin, mas não custa nada fazer um levantamento das opções à disposição dele (e claro, brincar um pouco com elas).

 

Os óbvios: Brad Pitt & Angelina Jolie

Prós: Sem sombra de dúvidas, eles são o Burton & Taylor da Hollywood atual. Ao escalar um casal de astros seguido obsessivamente pela imprensa e cercado de polêmicas, glamour e especulações, os nomes dos dois são os primeiros que vêm à mente. Escolhê-los seria uma opção metalinguística e pragmática, já que a química e a beleza estão ali, prontinhas para serem usadas.
Contras: Pois é, seria meta, prático… e óbvio. Uma característica da qual Scorsese tenta fugir em todos os seus filmes. Além disso, o casal 20(00) inevitavelmente chamaria mais atenção que a própria história – tornando a produção quase um comentário contemporaneizado e menos narrativa cinebiográfica. E dificilmente Brangelina topariam expor seus demônios dessa maneira…

 

Os próximos: Leonardo DiCaprio & Kate Winslet

Prós: DiCaprio é o atual go-to-guy do autor nova-iorquino. E é amigo de Winslet, que ele conseguiria convencer com um telefonema. Os dois têm intimidade, química e já quebraram o pau com qualidade federal em “Foi apenas um sonho”. E não atrapalha nada o fato de que são dois PUTA atores, que fariam um estrago num filme desses.
Contras: Eles meio que já interpretaram o casal-quebrando-o-pau-numa-montanha-russa-de-amor-e-ódio no longa de Sam Mendes. E atores do naipe de Dicaprio e Winslet não gostam de se repetir. Ela ainda tem o problema de não ser a opção visual mais próxima de Taylor, mas seu talento contornaria isso no primeiro take do longa.

 

Os inesperados: Ryan Gosling & Jennifer Lawrence

Prós: Se Scorsese quiser fugir das escolhas prováveis, dificilmente ele encontrará uma dupla melhor que essa. Gosling vem provando que é um dos atores mais ousados e magnéticos de Hollywood já há um bom tempo, com filmes e atuações provocadoras. E Lawrence mostrou, com seu curto e impressionante currículo, que tem a intensidade e o carisma necessários para viver Mrs. Taylor (e, para o que valha, pintar o cabelo para ela não é um problema).

Contras: Não são nomes que asseguram bilheteria. Os dois são conhecidos (e respeitados) mais por seu trabalho em produções indie norte-americanas. E, numa época em que “drama” virou palavrão no cinema hollywoodiano, convencer um estúdio a bancar o casal nos papéis tende a ser um desafio que nem Mr. Martin Scorsese pode ter o cacife para vencer.

 

Os talentos: Jeremy Renner & Amy Adams

Prós: Dois atores em franca ascensão em Hollywood, com indicações (no plural) ao Oscar, papéis de peso, respeito e talento na bagagem. Ela tem a graciosidade e a fisicalidade de uma diva clássica necessárias para encarnar Liz Taylor. Já ele tem a masculinidade e os traços físicos para interpretar um mais que convincente Richard Burton.

Contras: Mais dois casos de nomes que não fazem cifrões piscarem nos olhos dos executivos dos estúdios. Por mais que Renner esteja assinando franquia atrás de franquia, ele ainda não é o astro que tudo indica que será daqui a alguns anos. E Adams é mais reconhecida como uma boa coadjuvante do que como um nome capaz de sustentar um filme em suas costas.

 

Os melhores de dois mundos: Matt Damon & Natalie Portman

Prós: Lindos, jovens, talentosos, experientes, famosos e capazes de vender um filme com seu nome no topo do cartaz. Damon e Portman seriam uma escolha segura, fácil e que uniria pela primeira vez dois dos maiores astros do cinema norte-americano contemporâneo. Agradaria ao estúdio e, provavelmente, ao público também.
Contras: Matt e Natalie até têm os traços e a beleza para viver Liz e Burton. Mas parece uma escalação tão baunilha e… provável, que achamos difícil que Scorsese se contentasse com ela. Com outro diretor, essa seria uma das apostas mais plausíveis, porém em se tratando dele, algo mais ousado deve preencher o miolo do cartaz.

 

Os possíveis, mas não prováveis: Robert Downey Jr. & Scarlett Johansson

Prós: Repetem as seis características do casal anterior. Além disso, já se cruzaram em “Homem de ferro 2” e demonstraram química juntos. Um papel dramático de peso faria bem a Downey Jr. depois do sucesso popular e dos milhões de dólares das franquias do “Homem” e de Sherlock Holmes. Já Johansson continua à procura do papel que vai confirmar que ela não é só um rostinho bonito e uma musa alleniana. Por fim, a escalação é a que deixaria mais clara os sete anos de diferença entre Burton e Taylor.
Contras: Seria uma escolha fisicamente diferente e ousada demais. Scorsese pode optar pelos dois se quiser gritar que seu filme é uma interpretação e não um espelho – e o casal de atores certamente tem o talento para fazer isso funcionar. Downey Jr., especialmente, precisa de outro papel como Chaplin para alongar seus músculos performáticos, encurtados por falta de algo que os desafie. Mas algo nos diz que seria espevitado e arriscado demais… até para Scorsese.

 

E você, quem acha que deveria interpretar o casal de ouro de Hollywood e não está nessa lista? Daniel Day-Lewis? Reese Witherspoon? Jake Gyllenhaal? Anne Hathaway? Chris Pine? Cate Blanchett? Dê seu pitaco aí nos comentários. A gente vai passar os melhores pro email do camarada Scorsa que só a gente tem…

Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,

13 Comments For This Post

  1. Livia Aguiar Says:

    Opa, fala pro Martin que a Anne seria uma ótima 🙂 Com o Robert Downey Jr? hmmm

  2. Daniel Oliveira Says:

    Anne Hathaway??? Acho ela muito magrelinha e sem viço para viver o glamour todo da Elizabeth Taylor… não?

  3. Livia Aguiar Says:

    naquele último filme que ela fica pelada o tempo todo deu pra ver que ela tem uma carninha, vai?

  4. Daniel Oliveira Says:

    É, talvez.

  5. Nessim Says:

    Orlando Bloom e Jessica Alba #brinks

    Jeremy Renner é o mais interessante pra ser o Richard Burton. mas o DiCaprio vai acabar acabar pegando o papel. tipo 75% de chance.

    De mulher, acho que a Emily Blunt ou Rachel Mcadams iriam ser boas escolhas. Acho a Michelle Monaghan pouco explorada no cinema e uma boa atriz. Poderia ser uma boa escolha tb.

  6. Matos Says:

    Mistura de candidatos para o casal: Jeremy Renner e Jennifer Lawrence.

  7. Larissa Says:

    eu adoraria ver Jon Hamm sendo dirigido pelo mestre.
    E para acompanhá-lo, Natalie Portman

  8. Daniel Oliveira Says:

    Uhn… Jon Hamm? Escolha interessante. Agora… Daniel Day-Lewis, alguém? Eu gosto dele como ator e, trabalhando com o Scorsese, fica melhor ainda, mas… como Burton, será?

  9. William Says:

    Eu acho o Jude Law muito parecido com o Burton, além de competente (embora eu não goste de nenhum filme dele – não vi Sherlock Holmes). Jude e Angelina (que provou ser mais que gostosa no filme do Clint). Fechou? Scorsa tem bala na agulha ($) pra isso tudo.

  10. William Says:

    Mentira. O Aviador, Estrada para a Perdição e eXistenZ são finos.

  11. Daniel Oliveira Says:

    Jude Law e Jolie é uma dupla interessante… o problema é que ela parece mais velha que ele, não?

  12. Cristiane Pereira Says:

    Pensei no Russell Crowe, que tem uma beleza bem máscula e viril, como era a de Richard Burton. Além de muito talentoso, é conhecido e reconhecido. Jude Law lindo, mas de uma beleza meio asséptica demais pra fazer uma história tão intensa como seria essa.
    E para Liz Taylor, me veio à cabeça a parceira de Crowe em Uma Mente Brilhante: Jennifer Connely, igualmente bela e talentosa. Mas talvez não seja interessante repetir a dobradinha.
    Acho que Marion Cotillard se encaixaria muito bem no papel – é linda, sexy e talentosa.Ia ser uma dupla de pegar foto, ela e Crowe.
    Dos nomes apresentados aqui, fico com Kate Winslet, Scarlet Johansson, Amy Adamns e Jennifer Lawrence, nessa ordem.
    Nathalie Portman é muito “inha”: miudinha, magrinha, de uma beleza meio frágil; Angelina Jolie e Anne Hathaway, por outro lado, têm uma beleza mais agressiva, o que não era o caso de Liz Taylor.
    O que acham?

  13. Daniel Oliveira Says:

    Nossa, Cristiane, JENNIFER CONNELLY!!! Com essa, você matou a pau. Não consigo aceitar mais ninguém no papel na minha cabeça. É ela e pronto. Sem mais. E ela tá MUITO precisando de um filme bom pra ressuscitar a carreira. Demorou. E tá, Russell Crowe, tá começando a fazer cada vez mais sentido na minha cabeça…

Leave a Reply

*

Pílula no Facebook

Enquanto isso, no Twitter

Arquivos

Categorias

-->

resume writing services