Êxodo: Deuses e Reis

Nossa avaliação
Exodus: Gods and Kings (2014)
Exodus: Gods and Kings poster Direção: Ridley Scott
Elenco: Christian Bale, Joel Edgerton, John Turturro, Aaron Paul


Se em “Blade Runner” Ridley Scott pegava emprestado elementos do cinema noir para sua ficção científica, em “Êxodo” o diretor bebe na fonte do western. Na conhecida história do menino nascido escravo que é criado como príncipe do Egito e com a ajuda de deus liberta seu povo, Moisés é o justiceiro vingador e seu nêmeses Ramsés o governante que precisa ser derrotado.

O duelo não será com pistolas ao pôr do sol, mas com bigas no meio do Mar Vermelho, enquanto a grandiosa paisagem da antiguidade substitui os cânions como exemplo não mais da pequenez do homem diante da natureza, mas sim diante de uma força superior. Christian (olha só a coincidência do nome…) Bale já foi o Batman e Scott acerta ao escalar um ator cujo rosto heróico é automaticamente reconhecido, pois ele possui um lado sombrio que é também importante para a ambivalência que o personagem pretende apresentar.

Pois este Moisés trocou o cajado de pastor pela espada de guerreiro, e não apenas questiona seu deus, como passa a conversar com ele só depois de bater a cabeça numa pedra. Se por um momento “Êxodo” parece ir para o caminho interessante de nos fazer duvidar dos fatos bíblicos, por outro as pragas estão lá (mesmo que cientificamente explicadas, uma boa novidade do filme), e o sobrenatural acaba por mostrar toda a sua força. Aqui e ali há paralelos políticos interessantes com a atual situação Israel-Palestina, especialmente em relação à inversão de poder entre dominantes e dominados. Mas Scott parece mesmo mais interessado é no duelo entre o bem e o mal, e é ai que “Êxodo” acaba por perder sua força.

Joel Edgerton não possui a imponência que se espera de um Ramsés, mas faz um bom trabalho com o que o roteiro lhe oferece. O problema é que mais uma vez seu faraó repete a vilania sem muita justificativa (apesar de mais ponderado do que Yul Brynner em “Os 10 Mandamentos”) deste tipo de épico, e o filme perde a oportunidade de se aprofundar mais na humanidade de Ramsés. Sabemos desde a primeira cena que é para Moisés que devemos torcer e ao faraó cabe apenas ser a escada para os feitos divinos.

O elenco é estrelado com muita gente desperdiçada (Sigourney Weaver se piscar perdeu) e as críticas sobre os papéis importantes dados ao elenco branco são válidas, sendo o caso mais gritante a escalação de Aaron Paul como o escravo de maior destaque. Mas como diversão “Êxodo: Deuses e Reis” funciona no embate luz e trevas que promete, com algumas sequências arrebatadoras da ira divina e com seu justiceiro de poucas palavras que retorna à sua terra de origem para vingar sua família (ou povo). Assim é uma pena que a produção apenas arranhe na tentativa de humanização destes personagens, preferindo contar mais uma vez a mesma história já vista antes. Talvez o Sr. Scott, como é do seu feitio, nos reserve uma “versão do diretor” que cumpra todas as promessas de sua narrativa monumental. Por enquanto, ficamos com aquela sensação de que faltou alguma coisa.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • A gente
  • Home
  • Retro
  • Homeopatia
  • Overdose
  • Plantão
  • Receituário
  • Ressonância
  • Sem categoria
  • 2020
  • 2019
  • 2018
  • 2017
  • 2016
  • 2015
  • 2014
  • 2013
  • 2012
  • 2011
  • 2010
  • 2009