A A
RSS

Democracia em Vertigem: a história, o político e o pessoal

por

22 de junho de 2019

Cinema, Receituário

Democracia em Vertigem

Brasil, 2019

  • Dir.: Petra Costa

Avaliação: ★★★★☆ 

Nos últimos três anos, perdi meu emprego, um namoro, alguns amigos. Não sinto vontade de ver minha família porque grande parte dela votou no fascismo. Tornei-me uma daquelas pessoas amargas, meio desagradáveis, que sempre levam a conversa do bar para a política com um desencanto pessimista diante de tudo que estamos vivendo. Chato, talvez. Perdi muito da minha esperança. Perdi uma vida. E me sinto incapaz de construir outra aqui. Por isso, estou indo embora do Brasil em alguns meses.

Tende-se a minimizar ou ignorar a dor privada diante da tragédia pública – ela é um sofrimento “pequeno burguês” perto do ocaso político. E o maior mérito do “Democracia em Vertigem” de Petra Costa é mostrar como essa dor pessoal não é só parte intrínseca da tragédia, ela é a tragédia. É revelar como o político é o pessoal. Como a História do Brasil é a nossa história – ela aconteceu com e por nós. O poder do filme está em como ele nos permite entender e aceitar que, após o tsunami que devastou o país nos últimos anos, a perda é política. Mas a dor é pessoal.

 Existe um valor e uma importância em enxergar todos esses eventos recentes com uma perspectiva e afastamento sociológico – dar um passo para trás e analisar a estrutura com frieza científica. Mas é igualmente importante entender, como Petra, que a História do Brasil é a história dos avós dela, sócios do grupo Andrade Gutierrez que enriqueceram durante a ditadura; dos pais militantes dela, que sonharam e acreditaram no projeto político do PT; e dela mesma. Ao dizer que “tem quase a mesma idade da democracia brasileira”, a cineasta não está fazendo uma afirmação egocêntrica. E sim refletindo como Lula, Moro, Cunha e Dilma podem ser os atores encenando o teatro político no palco-palanque, mas a história de um país durante nossos anos de vida se torna, inevitavelmente, a nossa própria história – do meu avô que eu amo e que apoia a ditadura, dos meus tios militares bolsonaristas, das tantas manifestações em que eu fui.

Esse é um de dois aspectos que tornam a experiência de assistir a “Democracia em Vertigem” algo tão pessoal e catártico. O segundo é a capacidade que o longa tem, como todo bom documentário, de sintetizar a vida (especialmente uma vida tão intensa como a dos últimos anos) em uma narrativa cinematográfica.

Em certa medida, o filme transforma a história nacional recente em uma ficção científica distópica. A fotografia de João Atala enxerga em Brasília o cenário distópico e desumano projetado por Oscar Niemeyer. E cenário aqui é a palavra-chave: não é uma cidade, viva, é um palco, um design de produção ultraestilizado, nas imagens do Palácio da Alvorada que, na sua beleza impessoal e imponência clássica, lembram “The Handmaid’s Tale”; e nas tomadas aéreas de uma geometria fria que sintetizam visualmente as engrenagens monstruosas do sistema político brasileiro.

São imagens carregadas de poesia, que confirmam um talento visual que Petra já havia demonstrado em “Elena” e “Olmo e a Gaivota”. E que funcionam bem melhor na tentativa de encontrar algum sentido no meio do caos político nacional que alguns exageros da narração em primeira pessoa da cineasta. O caráter excessivamente didático em alguns momentos se justifica, já que alguém precisa explicar para os gringos o que aconteceu/está acontecendo aqui. Mas quando escorrega para alguns exercícios interpretativos (como na descrição das posses de Lula e Dilma), explicando e analisando para o público algo já claro na imagem, o off se revela desnecessário e um pouco raso.

Acima de tudo, porém, “Democracia em Vertigem” é uma história de amor. Um amor abusivo talvez. O longa começa e termina com Lula. E Petra mostra o Brasil de Lula como uma história de amor – por um Brasil possível cuja república não começou com um golpe militar, em que o abismo da desigualdade não era a base do tecido social, em que o ranço da escravidão não permeava as relações trabalhistas. Mas mesmo no primeiro ato, quando o filme relembra o auge desse projeto de país, é difícil se deixar sentir aquela alegria e aquele amor de novo. Dói. Porque sabemos como ele vai terminar. Sabemos que o Brasil vai partir nosso coração.

Hoje saio na rua, olho para um completo desconhecido e, sem nenhum motivo sólido, desconfio que ele votou no fascismo. E sinto ódio. Um ódio incontido, irracional. Perdi meu amor. Essa é a dor que “Democracia em Vertigem” nos faz sentir. A dor de um coração partido. Para o mal e para o bem, somos uma nação passional. O político é extremamente pessoal.

Tags: , , , , , , ,

Leave a Reply

*

Pílula no Facebook

Enquanto isso, no Twitter

Arquivos

Categorias

-->

resume writing services