Busca

»»

Cadastro



»» enviar

Alanis Morissette

por Taís Oliveira

receite essa matéria para um amigo

1995

Quero ser igual à Alanis. Ela é bonita, canta bem, e tem aquele cabelo castanho enorme que eu sempre quis ter. Adoro suas performances, especialmente quando ela dança igual uma louca, uma mini-convulsão em pé. Se ela faz isso e diz aquelas coisas todas nas músicas é porque é uma pessoa sofrida. Como todos somos. Alanis pelo menos tem coragem de gritar.

Jagged Little Pill é o disco da minha vida. Eu brigo junto em "You Oughta Know" porque aquele ex-namorado idiota precisa ouvir poucas e boas. Quero ser uma das quatro meninas (ou Alanis) do clipe de Ironic, ficar brincando e balançando a cabeça. "Head Over Feet" é a música do meu namoro, uma canção de amor linda. Adoro não só os singles, como "Hand in my pocket" e "You Learn", mas todas as músicas do disco.

Engraçado pensar que ela começou a carreira aos sete anos, apresentando um programa no canal infantil Nickelodeon. Nunca ouvi Alanis nem Now Is The Time, seus dois primeiros trabalhos, lançados apenas no Canadá. Estou mais interessada no futuro de Morissette.

1998
Demorou três anos para ela lançar um novo trabalho, depois de férias na Índia. O primeiro single do disco foi um agradecimento ao país. Supposed Former Infatuation Junkie vendeu menos que o anterior, mas agradou mais os fãs. Já que ela era uma deusa para muitos, não custou nada fazer o papel de Deus em um filme do Kevin Smith.

Um acústico da MTV era previsível. Depois de sumir por mais três anos, ela voltaria linda e castanha para outro CD, com outro single falando mal do tal ex-namorado em Under Rug Swept. Uns dois clipes bonitos e ela me convenceria a comprar, numa promoção das lojas Americanas, o CD com o rosto dela estampado, em vermelho, laranja e azul.

2004
Há coisas que eu nunca poderia imaginar: Alanis cortou as madeixas, eu também, e descobrimos que um cabelo não é proteção. E ao lançar o disco caótico de 2004, ela incluiria uma música bônus na versão brasileira, influenciada por uma pequena participação numa novela global. O tempo passa.

Em 2005, Jagged Little Pill completou dez anos, comemorados com uma versão acústica do CD.

2008
Depois dos básicos três anos de intervalo, ela voltou com outro álbum de nome esquisito, Flavors of Entanglement, e quase ninguém notou o lançamento. Pelo menos ela está mais magra, graças à dieta vegetariana adotada após assustar todo mundo naquela fase gordinha.

Nestes 14 anos, Alanis veio quatro vezes ao Brasil. Sua visita à minha cidade (e mais outras dez!) foi o que me fez pensar em tudo que ela representava para mim e escrever sobre isso, retornar a esses anos. Mesmo sem poder voltar de verdade para 1995.
Discografia:
  • Flavors of entanglement (2008)
  • The collection (2005)
  • Jagged Little Pill acoustic (2005)
  • So-called chaos (2004)
  • Feast on scraps (2002)
  • Under rug swept (2002)
  • MTV Unplugged (1999)
  • Supposed former infatuation junkie (1998)
  • Jagged Little Pill live (1997)
  • Jagged Little Pill (1995)
  • Now is the time (1992)
  • Alanis (1991)

» leia/escreva comentários (7)