Busca

»»

Cadastro



»» enviar

Spike Jonze

por Taís Oliveira

receite essa matéria para um amigo


Sk8r boi
No curta “Primos?” do filme de Jim Jarmusch “Sobre café e cigarros”, Alfred Molina cisma que Steve Coogan é seu primo. Até então aborrecido com o papo, Coogan fica interessado quando Molina conversa ao celular com um Spike.

- Lee?
- Não, eu nem conheço o Spike Lee. Era Spike Jonze.
- Spike Jonze? Eu adoro ele.
- É, ele é um cara legal.


Mais que um “cara legal”, Spike Jonze é cool. Já foi casado com Sofia Coppola, pegou Michelle Williams, Karen O e é amigo de Kanye West e David Fincher. Aos 17 anos, em vez de ir para a faculdade, foi trabalhar em uma publicação sobre skate em Los Angeles. Acabou co-fundador e editor da revista Dirt (versão masculina de uma Capricho para homens, porém descolada) e da Grand Royal.

O nome bacana não veio do berço. Spike Jonze, que nasceu Adam Spiegel (filho de uma consultora em comunicação para países em desenvolvimento, cool), ganhou o apelido na loja Rockville BMX, onde trabalhou durante o colégio, e o adotou para a posteridade. Ele, claro, andava de BMX, fundou um “clube” internacional do esporte e é responsável por algumas das melhores filmagens de skate que existem, além de ter sido fotógrafo de revistas sobre o tema e ser sócio da marca Girl Skateboards.

Não é de se estranhar, portanto, que Jonze tenha sido produtor e co-criador da série de Jackass e do filme originado da série da MTV. Mas o trabalho mais relevante do diretor na TV foi, sem dúvida, com videoclipes. A lista extensa inclui Björk, Weezer, Pavement, Sonic Youth, Breeders e Chemical Brothers - sendo os mais conhecidos (e aclamados) o Sabotage, dos Beastie Boys, e Praise You, do Fatboy Slim, no qual também atuou como diretor da trupe de dança.

Sim, além disso tudo, Jonze também é ator. Seus papéis mais expressivos foram no “Vidas em jogo”, do amigo Fincher, e como um dos “Três reis” de David O. Russell, ao lado de Mr. Clooney. Em 1999, dirigiu seu primeiro longa, “Quero ser John Malkovich” - em que, entre várias proezas, enfeiou (muito) Cameron Diaz e arrebatou uma indicação ao Oscar de direção. Foi a primeira parceria com o roteirista Charlie Kaufman, com quem também trabalhou em “Adaptação” e “Natureza quase humana” - este como produtor e Michel Gondry dirigindo. Junto com “Guia do mochileiro das galáxias” e “Memórias de uma gueixa”, “Sinédoque, Nova Iorque” foi um dos filmes que Jonze desistiu de dirigir para realizar “Onde vivem os monstros” – como conseqüência, Kaufman estreou na direção.

Com esse currículo impecável, Spike Jonze se provou não só um “cara legal”, mas um cineasta de respeito. A inventividade realista de seu estilo visual trouxe para o cinema o que as manobras fazem no skate: tornar arte (e crível) algo aparentemente impossível.

Sk8r + boy
Filmografia
  • I'm here (2010), curta
  • Onde vivem os monstros (2009)
  • We were once a fairy tale (2009), curta
  • Adaptação (2002)
  • Quero ser John Malkovich (1999)
  • Três reis (1999), ator
  • Vidas em jogo (1997), ator
  • Mi vida loca (1993), ator

» leia/escreva comentários (2)