Busca

»»

Cadastro



»» enviar

Lobão

por Nara Mourão

receite essa matéria para um amigo


Sem madeixas longas
Se o rock errou ou não, jamais saberemos. Se Lobão continua mau, só o tempo irá dizer. João Luís Woerdenbag Filho é o nome de batismo deste carioca quase cinquentão. Após três álbuns independentes numerados e oito anos sem casamento com uma grande gravadora, Lobão lança o Acústico MTV, pela SonyBMG. Em entrevistas recentes, ele se defende da possível contradição por adotar o formato acústico que tanto criticava. E, acredite ou não, propõe o fim da demonização das gravadoras.

Esta biografia começa com polêmica. É que a história de Lobão é fruto de uma vida bandida, mas não menos doce. Aprendeu violão e bateria quando menino e saiu de casa aos 17, brigado com o pai. São Paulo foi a primeira odisséia rumo ao universo paralelo da música profissional. Lá integrou a banda Vímana com Lulu Santos, Ritchie, Fernando Gama e Luis Paulo.

A banda durou três anos e Lobão seguiu como baterista de gente como Luís Melodia, Walter Franco e Marina Lima. Participou da primeira formação da Blitz em 1980, mas deixou o grupo antes do sucesso comercial. Em 82 grava Cena de Cinema, o primeiro álbum solo. E depois forma a banda Lobão e os Ronaldos, que acaba rapidamente.

Lobão reaparece em 1986, com O Rock Errou. No ano seguinte é preso por porte de drogas e concebe o disco Vida Bandida na cadeia. Ele fala com orgulho dos tempos em que era adorado pelos presos. Pudera, além dos planos de tomar o Palácio das Laranjeiras, distribuía remédios para os parceiros de cárcere dormirem. Envaidecido, quer confundir: “Qual o cara da minha idade, de classe média, que passou três meses na prisão e se tornou o xerife da carceragem e mascote do Comando Vermelho?”

Ao sair da prisão, lança o disco Cuidado, em 88. Na década de 90, experimenta festivais como Hollywood Rock (lançamento do disco Vivo), uma vaia histórica no Rock in Rio II; e os CDs Nostalgia da Modernidade (95) e Noite (98). Com A Vida é Doce (99), Lobão cria uma estratégia inédita, através do selo Universo Paralelo. Torna-se independente e utiliza bancas de jornais e sites como pontos de venda, além de numerar as cópias para evitar a pirataria. Ainda pelo mesmo selo, lança 2001 – Uma Odisséia no Universo Paralelo e Canções Dentro da Noite Escura.

O “animal predador” já vive “uma novela das oito bem sucedida”, palavras do próprio em razão do relançamento de sua obra, via Acústico MTV. Com o disco deseja mostrar seu trabalho e consistência. Até ele se cansou de ser considerado mais falastrão do que artista. O Lobo está mansinho, mas grita que não é cordeiro. Coisas dessa vida louca vida.

Cordeiro em pele de lobo?
Discografia
  • Cena de Cinema (1982)
  • Ronaldo foi pra Guerra – Lobão e os Ronaldos (1984)
  • O Rock Errou (1986)
  • Vida Bandida (1987)
  • Cuidado! (1988)
  • Sob o Sol de Parador (1989)
  • Vivo (1990)
  • O Inferno é Fogo (1991)
  • Nostalgia da Modernidade (1995)
  • Noite (1998)
  • A Vida é Doce (1999)
  • 2001: Uma Odisséia no Universo Paralelo (2001)
  • Canções Dentro da Noite Escura (2005)
  • Acústico MTV (2007)

» leia/escreva comentários (5)