Busca

»»

Cadastro



»» enviar

Fase de crescimento

01.08.05

por Braulio Lorentz

Ramirez - Ramirez

(Performance Be Records, Universal, 2005)

Top 3: “Não Vá”, “Me Diz” e “Te esquecer”.

Princípio Ativo:
Amores e canções adolescentes

receite essa matéria para um amigo

"As FM´s e o Ramirez, no bom sentido, se merecem". A frase apareceu pela primeira vez aqui no Pílula Pop em setembro de 2004. Mal sabíamos que, menos de um ano depois, o quarteto carioca seria confirmado no Pop Rock 2005, grande festival da capital mineira. Estranho pensar que em vez de se apresentarem na pequena casa de shows Matriz, também em BH, os caras subiriam no palco montado no Mineirão.

Por coincidência, “Matriz” é o nome do primeiro hit, presente neste CD de estréia. E Belo Horizonte é a cidade da primeira rádio que viu a canção ser alçada à parada das mais pedidas, na 98 FM, subindo no pódio ao lado de nomes como Maroon Five, Keane e Charlie Brown JR. A ascensão em tão pouco tempo é fruto de um montão de características bacanas da banda de Rafael Cosme (guitarra e voz), Frank Dias (baixo e voz), Matheus de Giacomo (bateria) e Thiago Pedalino (voz e guitarra).

A parte mais visível para o público fiel do Ramirez, as menininhas e menininhos, é justamente a temática principal das letras escritas por Pedalino, com destaque para os versos da já citada “Matriz”: "Sei que vão dizer/ Não adianta olhar/ Pois acabou de passar/ Dos dezesseis/ Mas olha só/ O jeito dela dançar/ Seu tênis preto All Star (...) E até dizem por aí/ Que ninguém vai conseguir se aproximar/ Que o lápis no seu olho/ É pra afastar/ Quem não quiser te ver feliz". Se identificar com essas palavras é algo simples, ainda mais se levarmos em conta a naturalidade com a qual o vocalista canta (e conta) a história.

Guitarras pesadas, muitas palminhas e vocais bem resolvidos são a confortável cama sob qual as letras se deitam. Boas referências musicais como Roberto Carlos pré-anos 80 e Weezer também fazem a diferença e estão explícitas em momentos deliciosos como “Não Vá”, “Me Diz” e “Te esquecer”. Outros pontos altos são as baladas “Feliz Sem Mim” e “Menininha”, duas pausas estratégicas na barulheira do disco. A generosa pitada country de “Deixar pra trás” também destoa do restante das faixas, mas no fim tudo se encaixa direitinho.

A menininha tiete que despeja gritos de “Lindo!” e o menininho debochado que critica as fotos de divulgação por elas lembrarem as das boybands se encaixam da mesma forma. Mas não há graça em montar um quebra-cabeça com apenas duas peças. São menininhos e menininhas. Com “s”. E com All Star vermelho, verde ou de qualquer outra cor. Quer saber? Pode ser até um Adidas azul. E quem quiser trocar o lápis no olho por óculos de aro preto também é muito bem vindo.

Ramirez (da esq.): Matheus, Thiago, Frank e Rafael

» leia/escreva comentários (4)