Busca

»»

Cadastro



»» enviar

Cinco erros de um jornalista musical

15.04.05

por Braulio Lorentz

Som da Rua - Músicas para violão e guitarra

(DeckDisc, 2005)

Top 3: “Só uma canção”, “Tão suspeitos” e “O avesso”.

Princípio Ativo:
Guitarra e violão

receite essa matéria para um amigo

Erro 1: Atreva-se a definir uma banda em três palavras.
- Braulio, o que você anda ouvindo?
- Uma banda carioca chamada Som da Rua.
- Que som eles fazem?
- Hmmm... Eles são o “Detonautas da Deck”.

Explicando o erro: Em canções como “Só uma canção” e “Tudo em seu lugar” o vocal de Liô Mariz lembra bastante o de Tico Santa Cruz, do Detonautas. O apelo pop e certos timbres de guitarras são meus cúmplices. Mas ao final é tudo balela. Já disseram por aí que a banda paulistana Gram era o “Los Hermanos da Deck”, que Réu & Condenado é a cara dos primeiros trabalhos do Pato Fu ou que o Pic-nic é o “novo Leela”. Como se o Leela não fosse novo o bastante...

Erro 2: Deixe-se levar pelas roupas dos integrantes.
As roupas de brechó que a banda veste na foto da contracapa, por outro lado, apontam para um som bem mais Los Hermanos.

Explicando o erro: O Los Hermanos virou um ícone. Odiá-los é o que há, amá-los é legal e compará-los com o Legião Urbana é bacana. Uma banda que compõe letras sobre amor com umas melodias mais bem arquitetadas é facilmente associada à trupe de Marcelo Camelo. Se forem cariocas então, daí o bicho pegou. Se eles vestem camisas que parecem ter saído do guarda-roupa do avô, pode crer que já era mesmo.

Erro 3: Comova-se com a arte do CD.
A sacada do produtor Rafael Ramos de fazer uso do visual das revistas de letras cifradas vendidas em bancas chama a atenção e cria uma tremenda expectativa no ouvinte.

Explicando o erro: Eu sou um guitarrista incipiente e confesso que foi bem mais fácil tocar “Só uma canção” com o auxílio das cifras do encarte. Fiquei cativado.

Erro 4: Esqueça-se do álbum por inteiro e coloque uma música no repeat.
“Só uma canção” fica na cabeça. O primeiro single da banda é pop até a medula e tem um refrão metalingüístico no estilo de “Como seria melhor se não houvesse refrão nenhum (Mas há)”, do Ludov, companheiros de Deck. “Ah, isso é só uma canção/ Que não fala de amor/ Mas que fala pra ti/ Seja como for” é mesmo um pegajoso refrão.

Explicando o erro: Uma audição mais atenta revela o potencial de outras melodias. “Tão suspeitos”, “O avesso” e “Pra nunca mais” são três dos momentos mais inspirados do disco. Todos estão a quilômetros de distância do som de Santa Cruz e sua turma do Roque Clube.

Erro 5: Sinta-se amigo da banda.
Nenhum dos cinco rapazes do Som da rua sabe, mas eu sou amigo deles. Ao menos amigo do som deles. Entrei na comunidade do Orkut, recomendei o disco pros meus conhecidos e até disse pro meu irmão mais novo que Som da Rua parecia CPM 22, só que era mais legal.

Explicando o erro: Quem vive batendo nesta tecla de não-envolvimento com as bandas é o celebrado crítico musical Lester Bangs. Faz bastante sentido. Ainda mais no Brasil, com toda a cordialidade que nos é peculiar.

Os cinco integrantes do Som da Rua e as roupas de seus avôs

» leia/escreva comentários (0)