Busca

»»

Cadastro



»» enviar

Clube com K

02.04.06

por Rodrigo Ortega

Detonautas Roque Clube - Psicodeliamorsexo&distorção

(Warner, 2006)

Top 3: “Dia comum”, “Sonhos Verdes”, “Prosseguir”.

Princípio Ativo:
Sangue, açúcar, sexo e magia

receite essa matéria para um amigo

Psicodelia

As porções de psicodelia aqui não são as originais dos anos 60. O Detonautas Roque Clube seguiu as receitas dos pós-grunges que preferiram tomar drogas a imitar Eddie Vedder. As bases pesadas e graves com riffs incomuns vêm do Queens of the Stone Age. A primeira música de trabalho, “Não Reclame Mais” é puro Stone Temple Pilots. No clipe, Tico Santa Cruz encarna Scott Weiland mostrando o torso tatuado.

Mas a influência mais direta é do produtor doidasso Edu K. A banda conta que foi Edu quem deu força para eles gravarem os dezoito minutos cheios de efeitos de “Insone”. Seus dedos também devem ter passado pelos teclados excêntricos de “Você me faz tão bem” e “Tudo que eu falei dormindo”.

Amor

Raiva e amor se alternam nos desabafos pessoais das letras de Tico. Mas os pedais de distorção só não encontram os coturnos nas duas últimas faixas, “Tudo o que falei dormindo” e “Um pouco só do seu veneno”. As baladas não usam a técnica do açúcar a mais para grudar nas rádios. Se algum programador quiser fazer um mimo romântico para as fãs de Detonautas sem desagradar o patrão, a única opção é “Dia comum”. Mas ele teria que editar os seis minutos da música.

Sexo

Apesar da semelhança do nome do disco com o de Blood Sugar Sex Magik (1991), dos Red Hot Chilli Peppers, a californicação é mais inspirada na galera do Killers do que na turma do Flea. O DJ Cleston trocou pick ups e scratches por sintetizadores e barulhinhos dançantes. “Sonhos Verdes” e “Prosseguir” tirariam All Stars desavisados do chão em pistas indies. O casal nu se abraçando na capa é sugestivo, mas é o flerte da banda com o novo rock que deve animar as groupies.

Distorção

A banda justifica seu nome do meio. Em “Apague a luz”, Tico arranha tanto a garganta para cantar “Quando a gente diverte / tudo é tão bom” que é difícil imaginar o que seria de suas cordas vocais se tudo fosse ruim. “Assim que tem que ser” começa parecendo Nirvana, mas depois fica mais elaborada como Foo Fighters. A banda aumenta o número de acordes das músicas para não cair na vala comum do hardcore melódico.

Desde o encarte até a faixa escondida no final em espanhol, percebe-se a preocupação dos Detonautas em criar idéias bacanas para não entrar no clube do Surto e do Charlie Brown Jr. Se Gabriel O Pensador, amigo dos Detonautas, fizesse uma segunda edição da Festa da Música Tupiniquim, Tico apareceria para dar um beijo no rosto da Pitty e um aperto de mão no povo do Gram, mas se esconderia atrás das madeixas vermelhas quando chegasse o Chorão.

Detonautas Roque Clube, na época ainda desfalcados de Edu K

» leia/escreva comentários (20)