Busca

»»

Cadastro



»» enviar

Da Califórnia a Júpiter

15.05.06

por Rodrigo Ortega

Red Hot Chili Peppers – Stadium Arcadium

(Warner, 2006)

Top 3: “Hump De Bump”, "Desecration Smile", “Charlie”.

Princípio Ativo:
Catchup e maionese

receite essa matéria para um amigo

Temperos fortes consumidos durante muito tempo costumam deixar o paladar insensível. Aos 23 anos de carreira, os Red Hot Chili Peppers estão com gosto de catchup. O álbum duplo Stadium Arcadium, nono da carreira da banda, só reforça o sabor menos picante, pois não há idéias tão criativas a ponto de justificar um disco com 28 faixas.

O vocalista Anthony Kiedis contou à revista Rolling Stone que a intenção inicial era "escrever 13 boas canções e gravá-las, para ter uma pequena e digerível obra de arte". Partir daí para dois CDs chamados de Jupiter e Mars e um clipe que mostra a banda fantasiada em vários momentos da história do rock soa como viagem na maionese.

O baixista Flea declarou que "a idéia de alguém pegar e ouvir esse álbum desse modo (downloads ilegais) vai machucar todos nós". Além de longe no espaço, ele vai contra o tempo em que a música digitalizada é cada vez mais consumida por faixas, ao invés de obrigatoriamente o álbum fechado.

Os solos de guitarra à moda clássica de John Frusciante formam o único elemento coerente com a idéia viajante do disco duplo, mas, além disso, o grupo não arrisca muitas mudanças. A tal canção com clipe da história do rock, "Dani California", é musicalmente redundante. A parte “vocais de rap” do segundo single, "Tell me baby" tem uma infeliz semelhança com o hit-mor "Give it away".

A própria banda tem elogiado o trabalho de Frusciante. São as seis cordas que fazem os sons mais variados: "Charlie" é um funk casca-grossa com refrão coração-mole e "Hey" tem clima de jazz. O guitarrista encarna um guitarrista progressivo em "Stadium Arcadium" e um homem de mil dedos em "Turn it again".

A competência técnica continua alta. Em "Animal bar", a banda muda a dinâmica da música como se trocasse de acorde. Flea confirma sua habilidade para torturar o contrabaixo em "Torture me". Mas estes velhos truques, hoje em dia, ardem menos à língua. "Especially in Michgan” é especialmente empolgante no começo, antes da paradinha para Anthony Kiedis abraçar o microfone e fazer as meninas suspirarem.

Por outro lado, "Hump De Bump" é perfeita para Kiedis dançar como Iggy Pop. "Desecration Smile" e "Make you feel better" provocam sorrisos e me fazem sentir melhor, pois são palatáveis pela melodia, não pelos maneirismos do Red Hot Chili Peppers. Estas exceções fazem o disco valer a pena. Mas entre admitir isso e negar que eu fiz minha pastinha "Stadium Arcadium Ortega Edit" há uma distância daqui a Júpiter.

O microfone de Kiedis tem abraços garantidos com as novas músicas

» leia/escreva comentários (37)