Busca

»»

Cadastro



»» enviar

Mais leve que o chão

13.09.06

por Rodrigo Campanella

Serpentes a Bordo

(Snakes on a plane, Estados Unidos, 2006)

Dir.: David R. Ellis
Elenco: Samuel L. Jackson e uma porção de figurantes, incluindo a Julianna Margulies

Princípio Ativo:
lixo com etiqueta

receite essa matéria para um amigo

Quando Schneider entrou na meia-luz do quartinho, o amontoado de volumes em capa dura espalhado pelo chão tomava boa parte do lugar. Ele havia imaginado tudo assim, aspecto de largado, mas assustou com a bagunça. Tinha tempo: no marasmo daquele andar demoraria alguém perceber o arrombamento, se percebesse. Abriu o álbum no topo de uma pilha e folheou com cuidado o papel de seda para não derrubar o conteúdo.

A porção de rótulos, figurinhas autocolantes mal-impressas e carteiras de cigarro escorregava para o vão das páginas conforme ele repassava o material. A palavra ‘lixo’ cruzou sua cabeça, e ele soltou um riso, pequeno. As coisas tem o valor que se espera delas.

Num canto da sala que ele sentiu o cheiro. Perto da guilhotina, um gosto forte de verniz e plástico novo subiu pela narina até tomar a língua. Abriu ressabiado a caixa retangular que recendia aquilo. “Fabricação de lixo, quem diria”, ele pensou sujando as mãos na tinta fresca. Os mesmos rótulos, cromos e outros bagulhos de trinta anos atrás, os mesmos dos álbuns, estavam ali em versão recém-fabricada. A festa para os aficcionados. Virou, pegou a dúzia de álbuns que tinha separado e encostou a porta ao sair.

Quando Schneider chegou ao set naquele dia e olhou o cenário de poltronas de avião recheadas de bonecos-cadáver, ele pensou no que o amigo disse sobre o bico de figurante, “para um filme policial estranho, matar uma testemunha com cobras num avião”. Parado ali, ele lembrou da caixa no quartinho.

O diretor passou direto por ele, nem sorrindo nem ranzinza, um cara absorto. De tarde, Schneider já tinha opinião formada sobre ele: queria abraçar o mundo, fosse como desse. Comandava com a seriedade de um thriller, olhava o roteiro, já não tão sério gravava um plano tocado de humor, e voltava à carga: suspense, pedia tensão, soltava as cobras, terminava rindo.

No quartinho, gradeado e de porta nova, a pilha de caixas retangulares aumentava. Re-fabricada como novidade, a coleção nos álbuns virava sucesso no mercado paralelo. Quando outro figurante comentou no set “it´s the same old crap”, Schneider discordou. Era divertido, ele tinha certeza. Mais, não. Samuel L. Jackson ria no estúdio ao lado, certo de que não havia escolhido o novo Pulp Fiction mas ia ganhar dinheiro e holofotes sem esforço. Era tudo sério. Seriedade de business, sem gargalhadas nem pânico jogados no ventilador. Para esquecer da vida e pular na cadeira se você tem fobia de cobra. Com direito a descompromisso adaptado à dinâmica de mercado.

Jackson prepara o acorde certo para matar uma jibóia

» leia/escreva comentários (9)