Busca

»»

Cadastro



»» enviar

Cão sem rumo

25.10.07

por Daniel Oliveira

O passado

(El pasado, Argentina/Brasil, 2007)

Dir.: Hector Babenco
Elenco: Gael García Bernal, Analía Couceyro, Ana Celentano, Paulo Autran, Mimí Ardú, Marta Lubos

Princípio Ativo:
a geração enxaqueca

receite essa matéria para um amigo

Para o tradutor Rimini, protagonista de “O passado”, separar-se de Sofia, com quem esteve junto desde a infância, é como sair da casa dos pais. É se sentir livre pela primeira vez. Escapar das garras e expectativas de família e amigos. É poder fazer suas próprias escolhas e aprender a viver per se em um apartamento fuleiro, com um colchão sem estrado e só água na geladeira.

Só que ao contrário do que acontece com Ciro e Ariel, outros exemplos da mesma geração, esse descobrir o mundo não é acompanhado por um descobrir a si mesmo e por um necessário amadurecimento. Rimini não é construído no filme – ele é desconstruído em cada um de seus relacionamentos, desintegrando-se e desaparecendo neles. Com problema de memória, ele perde o emprego, numa derrocada que culminará na perda total de sua identidade.

Não por acaso um tradutor – alguém que simplesmente reproduz a fala de outros, sem uma própria - o personagem do livro de Alan Pauls parece observar a vida, sem se assumir protagonista de sua história. No filme de Babenco (Carandiru), Rimini se divide entre o terno-e-gravata e o vício em cocaína, a ‘família’ e o ‘mundo’, sem nunca ser forte o bastante para se decidir entre os dois.

Um contido Gael García Bernal, quase sem falar numa atuação ao mesmo tempo inerte e enigmática, encarna esse vazio de caráter que Rimini preenche de namorada em namorada, de um relacionamento para outro, sem jamais se definir individualmente. Essa inércia faz com que a protagonista da história, impulsionando os acontecimentos, seja Sofia. Analía Couceyro luta de igual para igual com Gael, equilibrando sua personagem na tênue linha entre o carinho incondicional e a obsessão psicótica pelo ex-marido.

Babenco usa o contraste entre o clássico e a multiplicidade contemporânea da arquitetura do centro de Buenos Aires como metáfora para a crise de Rimini. E a edição ágil realiza com objetividade as inesperadas passagens de tempo. Mas se ele é mais apurado que um Beto Brant, seu filme não flui tão bem quanto os do diretor paulista. O cineasta portenho-brasileiro se perde junto com Rimini no último terço do longa – o que, junto com a apatia do personagem, gera uma queda significativa do ritmo e do interesse pela trama.

Sem simpatia por Rimini e com Sofia cada vez mais surtada, Babenco encontra uma saída na alegoria ao final, com o tradutor cercado por várias mulheres. Ela sintetiza bem o personagem, mas escorrega para uma perigosa generalização da figura feminina – dualidade representativa de um filme que começa com bons personagens, mas acaba não sabendo muito bem o que fazer com eles.

Mais pílulas:
Um beijo a mais
Pergunte ao Pó
Gatão de meia idade

“Bonitinho ele, né? Repete tudo o que você diz também. Em outras línguas.”

» leia/escreva comentários (2)