Busca

»»

Cadastro



»» enviar

E Grande Elenco

13.11.07

por Igor Costoli

Jogo de Cena

(Brasil, 2007)

Dir.: Eduardo Coutinho
Elenco: Marília Pêra, Andréa Beltrão, Fernanda Torres, Aleta Gomes Vieira, Claudiléa Cerqueira de Lemos, Débora Almeida, Gisele Alves Moura

Princípio Ativo:
Pique-pega e esconde-esconde

receite essa matéria para um amigo

Há tempos um filme não possui um título tão adequado. Jogo de Cena começa com um anúncio publicado no jornal, que recruta mulheres para contarem suas histórias para a câmera de Coutinho. Ao todo, 83 mulheres apareceram, sendo 23 selecionadas pela produção, que acabou fechando o filme em cerca de 10 depoimentos. É nesse momento que o diretor faz o seu primeiro ponto de virada.

Entram em cena (ou no jogo) as atrizes, convidadas a atuar no papel de mulheres que falaram às câmeras. Então, quando você vê Marília Pêra ou Andréa Beltrão repetindo a fala de algumas entrevistadas, tudo parece estar claro no jogo. Não está. Andréa está tão fantasticamente bem que, por um instante, você se pergunta afinal quem é atriz e quem está apenas contando sua história. Segundo ponto de virada, quando Coutinho começa a se divertir.

Nem só de atrizes famosas seu filme é feito. Entre elas, desconhecidas também atuam, ajudando a nublar suas certezas. Mas o diretor não ia parar por aí. Seu jogo continua se tornando mais e mais interessante, quando pediu às atrizes que contassem histórias suas às câmeras. Novo ponto de virada: não é mais o fato de serem entrevistadas ou atrizes que define o que documentário e o que é ficção.

Quando entra em cena o produto japonês criador de lágrimas – trazido por Marília, pro caso de necessidade – é como se o longa dissesse “veja, qualquer uma pode estar atuando”. Em cena, Fernanda Torres confessa a dificuldade de representar uma das histórias. E esta parte? Ficção? Documentário?

Entre as reviravoltas, há uma mais discreta. As mulheres que falam também estão se representando. Não mentindo, mas tentando dominar a imagem que passam de si mesmas. É algo que fica claro quando sabemos porque algumas mulheres responderam o chamado do anúncio, como aquela que quer reatar com a filha.

Isso, Coutinho já ameaçou discutir outras vezes: diante da câmera ligada, estão todos atuando. Ao longo de sua carreira, destacou-se por arrancar depoimentos incríveis de seus entrevistados, e essa habilidade gerou uma dúvida, pertinente não apenas ao trabalho do diretor, mas ao documentário de modo geral: os limites entre ficção e realidade.

Ter com quem comentar o filme é ainda mais importante que compreender o que se passa em cena. O filme resulta numa névoa de pura especulação, em formato perfeito para a mesa do bar. Jogo de Cena abdica de definir qualquer coisa, e a partir deste momento tudo o que resta são perguntas. Não as perguntas de Coutinho, ou das mulheres em cena. As suas perguntas.

Mais pílulas:
Estamira
Peões e Entreatos
Santiago

Coutinho e Marília: o documentário e a ficção.

» leia/escreva comentários (5)