Busca

»»

Cadastro



»» enviar

Tragicômico como a vida real

02.11.08

por Mariana Marques

Eu, meu irmão e nossa namorada

(Dan in real life, EUA, 2007)

Dir.: Peter Hedges
Elenco: Steve Carell, Juliette Binoche, Dane Cook, Dianne Weist, Amy Ryan, John Mahoney

Princípio Ativo:
família

receite essa matéria para um amigo

Dan Burns (Steve Carell) é um colunista que responde às dúvidas de seus leitores sobre relacionamentos entre pais e filhos. Viúvo, o escritor parece não ler sua própria coluna, já que vive em conflito com as três filhas. Mas ainda que proíba o namoro da adolescente e não deixe a primogênita dirigir, não há como ver maldade em Dan. No fundo, a gente sabe que ele erra apenas porque “quer o bem para as filhas”, assim como nossos pais fizeram e como um dia faremos com nossos possíveis rebentos.

Pai e filhas viajam para ver a família - daquelas grandes, com irmãos, cunhados, sobrinhos... Faço parte de uma dessas, que se reúne todo Natal, e sei por experiência o quanto esses encontros podem ser deletérios. Ainda que seja apenas uma vez ao ano e durante poucos dias, alguma merda irá acontecer. No caso de “Eu, meu irmão e nossa namorada” (péssima tradução para Dan in Real Life), a merda é que Dan se apaixona por Marie (Juliette Binoche) antes de saber que ela é a nova namorada de seu irmão, Mitch (Dane Cook). Os três dias na casa de praia de seus pais se tornam suficientes para diversas situações torturantes, em que o único jeito de esfriar a cabeça é enfiando a mesma no congelador.

A idéia do casal Carrel e Binoche me parecia estranha. Mas já na cena em que os dois se conhecem na livraria, pouco antes de serem apresentados como cunhados, passei a torcer por Dan e Marie. A conversa sincera dos dois, a forma como Carrel interpreta um Dan que sorri porque “é melhor que a outra alternativa” e o jeito simpaticamente confuso como Marie procura um livro não deixam dúvidas de que eles formariam um casal perfeito. A destreza do filme é justamente fazer com que o telespectador acredite nos dois e participe do segredo do casal, compartilhando o constrangimento em diversas situações familiares, como o jantar em que todos fazem perguntas a Marie e Mitch a respeito do namoro.

Dirigido e roteirizado por Peter Hedges (que também escreveu o roteiro de “Um Grande Garoto”), “Eu, meu irmão e nossa namorada” é doce como sua encantadora trilha sonora, feita por Sondre Lerche. Um longa para ser colocado na prateleira de “filmes leves para ver com a família”, no espaço entre “Simplesmente Amor” e “Pequena Miss Sunshine”.

Mais pílulas:
- Tudo em família
- Mais estranho que a ficção
- Um bom ano
- ou Navegue por todas as críticas do Pílula

Dan experimenta inverter a ordem de sua coluna.

» leia/escreva comentários (4)