Busca

»»

Cadastro



»» enviar

Cannes, chega logo aqui

Um sobrevôo (visual) sobre os destaques de 2007 no festival francês

por Rodrigo Campanella

receite essa matéria para um amigo

Boa parte dos jornalistas que bateram asas até o Festival de Cannes 2007 mandou notícias de que a seleção de filmes era a melhor dessa década. Talvez, das últimas décadas. Para quem ficou acompanhando o noticiário sobre o festival aqui do Brasil a impressão foi mais fácil de ser resumida: provavelmente o que passou em Cannes nesse ano vai formar a cabeça da próxima geração de cinéfilos que vem por aí.

Se há dúvidas, uma listagem rápida do que estreou lá talvez resolva o assunto: “No Country for Old Men”, dos irmãos Coen (Fargo); Death Proof, de Quentin Tarantino (Kill Bill); “The Mourning Florest (de Naomi Kawase, ganhador do Grande Prêmio do Júri); “A Mighty Heart”, de Michael Winterbottom (O Caminho para Guantánamo); “Sicko”, de Michael Moore (Tiros em Columbine); “Control”, a história do Joy Division, de Anton Corbijn; “Zodíaco”, de David Fincher (Seven); “Mutum”, de Sandra Kogut (Passaporte Húngaro), e “My Blueberry Nights”, de Wong Kar-Wai (Amor à Flor da Pele). Tirando “The Mourning Florest”, todos esses já têm exibição garantida no Brasil.

Os Campeões do Festival

A lista se completa com os vitoriosos abaixo. Se eles ainda devem demorar ainda um pouco para chegar aqui, você já pode ver uma pequena porção de imagens de cada um. “O Escafandro e a Borboleta”, “Paranoid Park” e “Do Outro Lado”, também já foram comprados por distribuidoras do Brasil. É cruzar os dedos para que os outros também sejam.

Palma de Ouro - 4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias (4 Luni, 3 Saptamini si 2 Zile, de Cristian Mungiu, 2007, Romênia)

Favorito desde a primeira exibição, o vencedor do prêmio máximo da noite levou os prêmios do júri e da crítica especializada. Os adjetivos favoráveis (e são muitos) vão de “obra-prima” a “pérola”. Amir Labaki, crítico da Folha, achou “manipulador, sensacionalista e carola”. O que só dá mais vontade de ver. (Cena com legendas em inglês)




Palma de Direção - O Escafandro e a Borboleta (Le Scaphandre e le Papillon, de Julian Schnabel, 2007, França/Estados Unidos)

A história do editor da revista Elle francesa, que sofreu um derrame e ficou com todo o corpo paralisado. Usando a piscada do olho, conseguiu ditar toda sua biografia, incluindo a experiência de estar trancado em um corpo imóvel. Fez muita gente chorar, inclusive da crítica, e aparentemente não foi por desgosto. (Ótimo trailer, em francês)



Prêmio Especial de 60 anos de Cannes - Paranoid Park (de Gus Van Sant, 2007, França/Estados Unidos)

Van Sant, trabalhando com o suporte dos cofres da rede HBO – e com a liberdade afiada que a HBO Films às vezes permite – continua tentando enxergar a juventude por dentro. Ao invés de cortes rápidos e música no talo, o que predomina aqui é silêncio, descaminho, mormaço. Se a adolescência é rock, som e fúria, esse é o lado B – o que acontece quando a sensação da festa termina. (Cena com som em inglês, legenda em francês)




Ganhador da Mostra Paralela (Um Certo Olhar) - California Dreaming (de Cristian Nemescu, 2007, Romênia)

O diretor de Califórnia Dreaming não subiu ao palco para receber seu prêmio. Cristian Nemescu morreu em um acidente de carro em 2006, enquanto montava esse filme, seu primeiro longa. Nem soube da indicação a Cannes. O filme ainda não está pronto – o montador tenta dar um acabamento no material, de acordo com as indicações deixadas pelo diretor. Difícil escrever isso aqui sem um travo na garganta, especialmente com um trailer que promete tanto. (Trailer com legenda em inglês)




Palma de Roteiro -Do Outro Lado (de Fatih Akin, 2007, Alemanha/Turquia)

O diretor Fatih Akin é alemão, nascido em Hamburgo, filho de pais turcos. “Do Outro lado” é marcado pelo movimento de dois caixões, como definiu o crítico Luís Carlos Merten do Estado De São Paulo. Um vai de Hamburgo para Istambul, o outro faz o caminho inverso. Pode parecer, mas não é um filme feito em cima de uma guerra de fronteiras. Ao contrário, é sobre encontros e acolhidas, essas coisas que fazem ainda mais sentido diante da morte. (Cena com som em inglês, legenda em francês)


» leia/escreva comentários (2)