Busca

»»

Cadastro



»» enviar

receite essa matéria para um amigo

Orquestra Imperial ao vivo, Chevrolet Hall, 04/02/06

Alegorias e adereços

por Braulio Lorentz

Fotos: Braulio Lorentz e Rodrigo Ortega


Thalma está de costas, Amarante está de frente e o Kassin no meio

O Pílula Pop também joga seus confetes de vez em quando. Estivemos no mais descolado baile pré-carnavalesco de Belo Horizonte, promovido pelo BH Shopping, com abertura do Simbora Live PA e presença da Orquestra Imperial. A OI é formada por pessoas mil: Thalma de Freitas (vocal), Nina Becker (vocal), Rodrigo Amarante (vocal), Wilson das Neves (vocal e percussão), Nelson Jacobina (guitarra e violão), Pedro Sá (guitarra), Berna Ceppas (sintetizadores e percussão), Bartolo (guitarra), Rubinho Jacobina (teclados), Kassin (baixo), Domênico (bateria), Leo Monteiro (percussão eletrônica), Stephane San Juan (percussão), Bodão (percussão), Felipe Pinaud (flauta), Max Sette (trompete), Mauro Zacharias (trombone) e Bidu Cordeiro (trombone). Ela toca, basicamente, marchinhas de carnaval e outras versões feitas sob medida para eventos desta sorte.

Vamos então aos dados do data-Pílula Pop, que tem as informações sobre as fantasias presentes no baile realizado no dia quatro de fevereiro no Chevrolet Hall:

Abadá

10 pessoas estavam usando abadá: o que é uma lástima, porque abada é ingresso, não é camisa. “Vamos chamar ao palco os que estiverem fantasiados. Mas abadá não serve”, proferiu a sábia Thalma de Freitas.

Bloco

1 dúzia de indivíduos formou um bloco que subiu ao palco e se sacudia entre máscaras, colares coloridos e outras aliterações. Foram o grande destaque de zelo para com a fantasia de baile.

Samurai


Essa foi a primeira vez que vi esta pessoa sem uma camisa listrada

1 pessoa estava vestida de Samurai, no caso, o cantor Rodrigo Amarante, que está acostumado às serpentinas. Nos shows do Los Hermanos, “Todo carnaval tem seu fim” é sempre o momento escolhido pelo público para uma chuva de serpentinas e confetes.

Indie

Cerca de 10 pessoas estavam com óculos de aro preto. Dentre esses acessórios indies, um deles estava no palco e fazia o baixista Kassin enxergar melhor. Adereços neo-hippies foram computados em número bem mais significativo.

Vegetal

50% das meninas estavam usando algum adereço vegetal: uma semente no brinco, uma casca no cordão ou uma raiz na pulseira. E todas essas garotas se empolgaram com a canção “Devagar com a Louça”.

Havaina


Thalma, Amarante e Nina: o trio vocal da Orquestra

2 pessoas estavam vestidas de havainas: as cantoras Nina Becker e Thalma de Freitas. E não confunda uma fantasia de havaiana com uma sandália havaiana. Se bem que neste caso as meninas eram havainas de havaianas. Ambas pareciam competir para ver qual era a mais graciosa.

Mas o prêmio de “ação mais fofinha da noite” fica mesmo com a Nina. Em certo momento do baile, ela pegou um pacotinho de confetes e começou a se divertir jogando no público. Em outro momento, jogou uma mão de confete em um dos seguranças. Ele não entendeu, e olhou pra cima. Ela sorriu. Ele sorriu. Então, ela jogou mais um pouquinho de confete na careca dele, como se estivesse convidando o moço pra sambar. Ele não sambou, mas sorriu, de novo. Muito cativante.

Todos estavam sambando, principalmente em momentos como “Nasci para bailar” e “Sem compromisso”. Até o Pílula mexeu um pouco o pé. O mérito fica com os cariocas da Orquestra Imperial.

» leia/escreva comentários (5)