Busca

»»

Cadastro



»» enviar

Perfect pop dos infernos

01.07.05

por Igor Costoli

System of a Down – Mezmerize

(SonyBMG, 2005)

Top 3: "B.Y.O.B.”, “Radio/Video”, “Old School Hollywood”

Princípio Ativo:
Crítica social e metal de alta qualidade

receite essa matéria para um amigo




Quando se noticiou que o System of a Down lançaria dois álbuns no mesmo ano, foi impossível não achar esquisito. Afinal, vivemos uma época em que muitas bandas do mainstream não lançam um bom álbum em dois anos, natural acharmos complicado lançar dois bons em um mesmo ano. Como esquisito é um adjetivo pertinente, o SOAD cumpriu metade do inesperado.

Por causa dessa pequena desconfiança, Mezmerize repete a boa surpresa que foi o Steal this Album, anunciado como compilação de sobras da banda e que mantinha o ritmo e a qualidade dos álbuns anteriores. O novo cd traz os mesmos elementos sempre atraentes: muita força no som, uma grande capacidade de tocar em ritmos fraturados, letras de conteúdo político e social e uma pitada de senso de humor.

Não falei também da habilidade vocal de Serj Tankian, mas o elemento diferente de Mezmerize é a onipresência do guitarrista Daron Malakian. Daron compôs todas as músicas do álbum, a maior parte sozinho, escreveu metade das letras e divide a autoria de quase toda a outra metade com Tankain, produziu o cd e canta em quase todas as faixas. O resultado é um álbum com a cara do mais demente integrante do SOAD, que ainda tem John Dolmayan na bateria e Shavo Odadjian no baixo.

Com a voz de Malakian, algumas músicas ganharam outro peso. É um cd que mesmo os fãs ouvirão duas ou três vezes antes de se acostumarem. Para além de intimistas, para além da crítica que fazem à sociedade de consumo e aos vícios, se a voz de Tankian imprimia uma dor sincera, a dor agora enlouquece com a voz do guitarrista. Que parece ter se descoberto como vocalista. "Lost in Hollywood" é triste como Aerials, e novamente brincam com o sucesso e a solidão que este causa. Já a outra, "Old School Hollywood", é pesada e divertida mesmo pra quem não entende de baseball.

"Sad Statue" poderia ser um grande hit, mas o próximo será "Question!", que também é ótima para fazer a banda parecer mais normal um pouco. Mas só um pouco. "Bring Your Own Bombs" é insana, é pesada, tem ritmos fraturados, letra política de conteúdo mais atual impossível. Essa sim é a cara do System of a Down, e não à toa o clipe vem fazendo muito sucesso. A loucura e a crítica social a que me refiro podem ser muito bem verificadas em "Radio/Video", uma pérola, "Violent Pornography", e a canção cujo nome já diz tudo: "This cocaine makes me feel like I'm on this song".

"Revenga", "Cigaro" e a introdutória "Soldier Side" completam o disco de alta qualidade que é a primeira metade do segundo lançamento do ano. Que venham novembro e o Hipnotize!

“Eu poderia estar matando, eu poderia estar roubando. Mas não sou o Bush”

» leia/escreva comentários (0)