Busca

»»

Cadastro



»» enviar

Ele tenta, tenta, mas não consegue... Ou não.

01.03.05

por Guilherme Miquelutti

Tom Zé - Estudando o Pagode Na Opereta SegregaMulher e Amor

(Trama, 2005)

Top 3: “Estúpido rapaz”, “Quero Pensar" e "O Amor é um Rock"

Princípio Ativo:
Pagode, mulher e Tom Zé

receite essa matéria para um amigo

Tom Zé às vezes se acusa de não conseguir compor álbuns simples. E tem razão. Isso parece não ser nada fácil para o compositor que realmente compreendeu o significado da palavra tropicalismo na música brasileira. Em seu novo disco, ele contou com uma inusitada assessoria de dois jovens assessores responsáveis por não deixá-lo complicar muito sua obra.

Não podemos dizer que a experiência não vingou, pois não sabemos como seria o disco sem a presença dos “teenassessors”, Fernanda Del´Uomo, de 16 anos, e Pedro Gonzaga, de 17. Mas o fato é que Estudando o Pagode é o rebento de um compositor cuja genialidade não se esvai com o tempo, como acontece com os outros tropicalistas, porém se incrementa. Tom Zé fica mais complexo a cada álbum, e nos surpreende.

Estudando o Pagode, cujo título e capa são referências ao seu Estudando o Samba, de 1976, não é para as massas. Muito menos é um resgate de sua obra pré-David Byrne e se fosse talvez seria mais simples e acessível. Não é o caso: o resultado é mais próximo de sua fase experimental e pós-ostracismo.

O disco conta com poucos refrões e inúmeras referências. Por outro lado, há trechos pegajosos, guitarras e efeitos eletrônicos, letras engajadas e provocações. Elas estão, principalmente, na abordagem do tema mulher. Mas não é nada gratuito, já que o álbum é resultado de mais de quatro anos de pesquisa de Tom e sua esposa Neusa sobre a condição feminina na sociedade moderna. Os versos da faixa “Mulher Navio Negreiro” traduzem bem a abordagem do tema. “O macho pela vida se valida a molestar a mulher, se diverte / Apavorada ela que se pela, pouco, para de pé e padece” .

O trabalho é dividido em atos e conta com as vozes de Edson Cordeiro, Luciana Melo, Patrícia Marx, Zélia Duncan e Suzana Salles. Dentre tantos nomes, Suzana se destaca. Ela é ícone da “vanguarda paulistana” e companheira de Itamar Assumpção na banda Isca de Polícia e de Arrigo Barnabé no seu lendário Clara Crocodilo. A moça é vocal em sete das dezesseis canções em dueto com Tom Zé. A produção é assinada pelo cantor e ex-Balão Mágico, Jair de Oliveira, que também dá uma forcinha com seu gogó em quatro faixas.

Assim como seu irmão mais velho (Estudando o Samba - que não é um disco de samba), Estudando o Pagode tampouco é um disco de pagode. O CD também não cairá nas graças das rádios do segmento, juntamente com músicas do Belo ou do Netinho. Segundo o autor, a idéia é dar um tratamento digno ao ritmo musical que vem sendo esquecido e/ou maltratado pela indústria fonográfica assim como o samba lá pelos idos de 76. Mas o pagode está ali presente, em todas as faixas. Garante o tempero pagodeiro e integra uma muito bem preparada salada musical.

Vai me dizer que você não gostaria de ser um assessor do cara?

» leia/escreva comentários (0)