Busca

»»

Cadastro



»» enviar

Gatilho Nervoso

23.03.07

por Igor Costoli

Atirador

(Shooter, EUA, 2007)

Dir.: Antoine Fuqua
Elenco: Mark Wahlberg, Michael Pena, Danny Glover, Kate Mara, Elias Koteas, Rhona Mitra, Rade Serbedzija e Ned Beatty

Princípio Ativo:
O fascínio da violência e da morte

receite essa matéria para um amigo

Existem várias formas de se analisar um filme, e a maioria não favorece este. Mas se existe alguma utilidade na guerra, ela surgiu com o cinema. Nas palavras do Daniel, a guerra é algo muito bom de se fotografar, não de se fazer. E entre tantas coisas, a primeira a se dizer deste longa é o quanto ele é...

previsível.

Este filme não descende apenas de uma linhagem de pelo menos 5 filmes com o mesmo nome (ainda que os 3 de Berenger sejam Sniper no original), mas de uns 8 que no total têm a mesma idéia. E isso nos leva aos...

clichês

... que fazem o recheio do bolo. Soldado fiel e patriota, com traumas de batalha, vive isolado e é chamado a defender seu país. É traído e precisa provar sua inocência. Adaptado do livro de Stephen Hunter, o roteiro guarda algumas boas falas pra Wahlberg, que mesmo no piloto automático, se sai bem. O que aliás, nos leva a outro clichê, do cinema pipoca de modo geral, a...

falta de uma assinatura.

Antoine Fuqua ameaçou ganhar o mundo com Dia de Treinamento. Depois, decepcionou todo mundo com Rei Arthur. E agora traz às telas um filme sem traço autoral, onde mesmo a interpretação do protagonista se apóia talvez na tese de que militares não têm sentimentos, exceto traumas. Partindo pro ideológico, é óbvio que este filme é...

reacionário

... e Republicano. O Sniper é o maior símbolo do sucesso de uma arma de fogo. E daí vem o fascínio dessa história de ação do início ao final. Quando os tiros e a violência servem pra saciar uma sede de sangue própria da humanidade. E eis que surge, então, uma ótica...

perturbadora

..., a de que este filme seja um retrato de sua época. Uma descrição subjetiva e acidental da paranóia de uma década que passa da metade sem saber como se classificar. “As coisas aconteceram de um modo que me desagradam. Mas, infelizmente, não podemos fazer como no Velho Oeste e sair limpando as ruas com armas... ainda que seja o necessário”. E de repente, o cinemão americano se veste de Jack Bauer e...

os fins justificam os meios

... de modo que vingança e justiça são uma coisa só. Assim, o sargento Swagger, de Wahlberg, depois de perceber a incapacidade do Estado resolve as coisas a seu modo, o modo americano de resolver conflitos: guerra civil. De repente, o que era reacionário vira...

transgressor

... de um modo inesperado. E ainda poderia, assim, ser classificado como...

thriller político

... porque, se pensarmos que a maioria do público deste filme vai passar longe de O Jardineiro Fiel a vida inteira, esse é o mais próximo de uma crítica a relações internacionais a que eles terão acesso...

Apontando para o futuro

» leia/escreva comentários (3)