Busca

»»

Cadastro



»» enviar

À procura da identidade

05.07.08

por Daniel Oliveira

Do outro lado

(Auf der anderen seite, Alemanha/Turquia/Itália, 2007)

Dir.: Fatih Akin
Elenco: Baki Davrak, Nurgül Yesilçay, Tuncel Kurtiz, Hanna Schygulla, Patrycia Ziolkowska

Princípio Ativo:
identidade

receite essa matéria para um amigo

Nós somos formatados por, basicamente, três coisas: pelas pessoas que escolhemos amar; as coisas em que decidimos acreditar; e os lugares que elegemos para viver.

“Do outro lado” e seu diretor Fatih Akin, laureados em Cannes 2007 com o prêmio de melhor roteiro. sabem que cada uma dessas três categorias tem seus líderes. Os pais, na primeira; a religião (ou o Deus), na segunda; e a Terra Natal, na terceira. E é essa a trinca de elementos que tece o filme do cineasta turco-alemão. A idéia de ser modelado por algo externo é tão fundamental que os enquadramentos sempre mostram os personagens emoldurados – seja por uma estante de livros, pela arquitetura de Istambul ou pela pobreza local.

Nejat Aksu é um professor universitário em Berlim que vai para a Turquia atrás de uma garota, devido a um crime cometido por seu pai. A garota é Ayten Oztürk, militante política que, perseguida pela polícia, foge para Berlim, onde se apaixona por Charlotte.

Nejat, intelectual e reservado, sente-se culpado pelo machismo e pelas tradições do pai turco. Ayten quer consertar um mundo que ignora a pobreza de uma Turquia prestes a entrar na União Européia. Charlotte quer salvar Ayten da prisão – e sua mãe, Susanne, quer tirá-la desse imbróglio todo.

Somente quando eles atingem o ‘outro lado’ – saindo de seus corpos para alcançar o objeto de sua busca – é que eles vêem a si mesmos. E percebem que precisam parar de tentar corrigir os erros dos outros e começar a enxergar os seus próprios. A busca pelo outro acaba se revelando uma relutante busca pela própria identidade.

Ayten precisa de uma tragédia pessoal para ver que não pode lutar contra a intransigência do mundo, se ela mesma é intransigente. Susanne, na busca pela filha, reencontra uma mulher perdida há muito tempo: ela mesma. E Nejat, durante uma bela conversa sobre a religião de seu pai, ao contar a Susanne a história do sacrifício do filho de Abraão, vê que é possível saltar da moldura. Que somos formatados, mas nem tanto.

Assim como em “Contra a parede”, seu filme anterior, Fatih Akin emaranha seus personagens nesse clichê real que é a ciranda da vida, para mostrar uma Europa em que o trânsito tornou difícil para as pessoas decifrar sua identidade. E o longa funciona porque esse lado macro não é priorizado. Ele está lá para quem quiser ver, mas o que interessa são os personagens.

É no estar “Do outro lado”, ao realizar esse trânsito de um país para outro (ou de um ponto para outro na câmera de Fatih Akin), que eles fazem sua grande descoberta: só é possível entender esse ‘outro’ quando se sabe quem você realmente é.

Mais pílulas:
- Cannes 2007 - A cara dos vencedores
- Crash - no limite
- Babel
- ou Navegue por todas as críticas do Pílula

Ayten, Charlotte e a ânsia pelo outro lado.

» leia/escreva comentários (0)