Busca

»»

Cadastro



»» enviar

F de Favela

por Daniel Oliveira

receite essa matéria para um amigo

Da 12ª Mostra de cinema de Tiradentes


Depois de três filmes seguidos no sábado, resolvi manter um low profile no domingo e assisti somente à sessão da praça. Em parte também porque a diretora do longa exibido, o documentário “Contratempo”, daria uma coletiva para a imprensa na manhã de segunda-feira.

Ah, a diretora atende pelo nome de Malu Mader. “Contratempo” surgiu quando Malu foi chamada para ser madrinha da primeira turma de formandos do projeto “Villa-lobinhos”, que oferece aulas de música clássica para jovens dos morros do Rio de Janeiro. A atriz, e agora diretora, continuou envolvida com a iniciativa e, depois de insistir muito para que o cineasta João Moreira Salles (o instituto Moreira Salles é apoiador do projeto) realizasse um documentário sobre os jovens músicos, ele respondeu: “por que você mesma não faz?”.

Moreira Salles e sua Videofilmes produziram, Mini Kerti se juntou como co-diretora e Malu decidiu enfim realizar o filme, após uma cirurgia que a fez questionar os rumos que vinha dando à sua carreira, unindo-se à Selton Mello e Matheus Nachtergaele na onda de atores atrás das câmeras. “Contratempo”, como documentário, está abaixo do razoável. Não há muito de cinema, o filme (feito com um orçamento de R$ 350 mil e equipe de seis pessoas) se apoia totalmente nas tragédias de seus personagens e comete alguns erros feios – como a sombra do microfone na parede do quarto de um dos entrevistados. Mas as histórias são bonitas, o projeto tem (muitos) méritos e não vai fazer feio em uma exibição domingo à noite no Canal Brasil.

Confira abaixo os melhores momentos da coletiva de Mader em TDNT.


Malu & família conferem a exibição de Contratempo na praça de Tiradentes.

Pílula Pop: Você parecia muito feliz ontem ao apresentar o filme. Fale um pouco dessa sensação de ir para trás das câmeras.

Malu Mader: Estou bastante feliz, mesmo que você não possa criar grandes expectativas com um documentário. Ele existe nos festivais, para o embate com esse público aqui. Normalmente eu sou uma pessoa de grandes expectativas, ainda que eu saiba que não se deve ser assim. Mas a parte realmente feliz foram as filmagens, o encontro com eles [os jovens músicos] e a realização do sonho de me tornar diretora. Desde os 30 anos que eu falo que quero dirigir e meu marido sempre falava: ‘olha, já chegou os 40...’.

Pílula Pop: Por que um documentário?

Malu Mader: Sempre quis dirigir ficção, mas no Brasil é muito difícil: o orçamento, captar, fazer um roteiro. No documentário, você já parte para a luta. Eu tinha um filho pequeno e isso atrapalhava bastante os planos. E era atriz, mudar de atividade é complicado, eu vivo disso. Mas entrei nesse projeto [o Villa-lobinhos], sem nenhuma intenção de fazer um filme sobre ele, me envolvi muito e as coisas acabaram caminhando nesse sentido. Era mais viável naquele momento.

Pílula Pop: Como a Mini Kerti chegou ao projeto?

Malu Mader: Eu não me sentia preparada tecnicamente. E vinha pensando em dirigir uma ficção com o Wagner, um dos gêmeos [personagens de “Contratempo”], e minha sobrinha, que estudava teatro na época. Uma menina de classe média e o cara do morro que se cruzam, ficam se sacando no ônibus e querem fugir das suas realidades. Essa mistura de ficção e documentário que tem acontecido recentemente. Não deu certo, mas a Mini estava envolvida. A gente já se conhecia, o Rio é muito pequeno, ela é da Conspiração [Filmes] e conheço todo mundo lá.


Malu dá uma de namoradeira de TDNT.

Pílula Pop: E como vocês dividiam o trabalho?

Malu Mader: O tempo todo a gente estava junto: eu entrevistava alguns, a Mini outros, mas sempre elaborávamos as perguntas juntas. Primeiro, nós selecionamos os personagens que íamos acompanhar porque eram muitos alunos. Os critérios eram os que tinham mais identidade e uma história pessoal de que gostássemos mais. A questão estética ficou mais nas mãos dela e a gente não brigou nunca durante as filmagens. Foi só na edição que tivemos uns atritos e houve momentos em que quis ter dirigido o filme sozinha [risos]. Mas agora não vejo mais no filme onde estou eu e onde está ela. E o Serginho Mekler [editor] na época da montagem também foi fundamental, quase um terceiro diretor do filme.

Pílula Pop: O que os entrevistados acharam do filme?

Malu Mader: Isso foi a coisa mais legal porque eu fiz o filme muito pensando neles, para eles se gostarem. Pensei muito nessas questões éticas do documentário, do jornalismo mesmo, até com base nas minhas experiências. Fiz umas aulinhas com o Moreira Salles e o [Eduardo] Coutinho na Casa do Saber, no Rio. Vi muitos documentários. Queria muito que eles gostassem. E eles ficaram querendo ver o filme várias vezes, levar a família...

Pílula Pop: E mudou alguma coisa na carreira deles?

Malu Mader: Não sei na carreira, mas na vida. Eu nunca fiz análise, mas acho que quando você vai dar uma entrevista, meio que funciona como um descarrego [risos]. E principalmente no caso deles, que eram histórias tão trágicas. Eu sentia que, assim como o Tablado [escola de teatro do Rio] chacoalhou minha vida classe-média, a música clássica também subverteu o destino deles. Rolava uma identificação.

Pílula Pop: Como foi para você, a Malu Mader da televisão, entrar na favela para entrevistar os meninos?

Malu Mader: Sabe aquele lance de que de perto ninguém é normal? Se ninguém é, todo mundo fica normal. Como eles já me conheciam há um tempo, do projeto, já tinham uma intimidade comigo. Realmente trabalho desde muito jovem na Globo e tem uma associação que é inevitável, mas onde eu vivo, transito, ninguém me aborda. É muito da tua postura. Tem um jeito de se portar que quase joga uma capa invisível sobre você. E a gente não fazia muito alarde nos lugares em que ia filmar.

Pílula Pop: A respeito da segurança para filmar na favela, que providências vocês tomaram?

Malu Mader: Eu não queria saber muito dessas autorizações e afins. Mas o Santa Marta, onde a maioria deles morava, é um dos morros que está sem tráfico no Rio. Nos lugares perigosos, os próprios meninos falavam: ‘olha, hoje tá rolando tiroteio, não vem’. Fui à favela pela primeira vez aos 12 anos, levar um dinheiro que a gente tinha arrecadado na festa junina da escola. E a vista da Rocinha são as mansões da Gávea. Foi o primeiro uau. O que me choca hoje é que continua o total abandono. Mas há uma tendência dos cariocas, de pessoas que vivem em um país em guerra, de assimilar aquilo. Eles não querem sair dali. A menina, Raquel, que diz que quer ir embora é a única que fala isso. O discurso dela era muito mais contundente e eu tirei para protegê-la.

Pílula Pop: Por fim, o que você pode nos dizer sobre o roteiro de ficção que está escrevendo?

Malu Mader: Não posso contar muito porque ele ainda não deu uma aquela shapada. É uma história de família atípica: não é pai, mãe, filhinhos...

» leia/escreva comentários (11)