Busca

»»

Cadastro



»» enviar

Eu tenho pôsters na parede, eu tenho Ace Frehley

por Marcela Gonzáles

receite essa matéria para um amigo

O garoto nerd sofre, mas se dá bem no final. A banda Superguidis espera para ela a mesma sorte dos filmes da Sessão da Tarde e do seu clipe de "O Banana". Os gaúchos são fãs de Pavement e acabaram de lançar seu “primeiro disco de gente grande”, pela Senhor F Discos.

Com “O Banana” já rolando na MTV, e a todo vapor após o lançamento do álbum, a banda quer agora rodar pelo Brasil. As músicas do disco novo, assim como as antigas, podem ser ouvidas no superguidis.com.br. Um pouco antes do show de lançamento, o vocalista e guitarrista Andrio contou pro Pílula sobre os preparativos, o clipe de “O Banana” e sobre ser nerd e atrair garotas ou não, com ou sem sotaque.

Pílula Pop: Primeiro, o lançamento. O álbum sai pela Senhor F Discos, então, gostaríamos de saber como anda a divulgação e a empolgação da banda, já que vocês já haviam lançado dois demos, e estão chegando com o primeiro completo.

Superguidis: Andrio: Pois estamos felizes pacas! É o nosso primeiro disco "de gente grande", como costumamos dizer. O show de lançamento no Garagem Hermética (clássico reduto rock de Porto Alegre) vai render também nosso primeiro clipe ao vivo, da canção "Discos arranhados". Tudo isso faz parte da divulgação deste primeiro rebento.

Pílula Pop: Vocês acham que o sucesso da Cachorro Grande abriu as portas para as novas bandas gaúchas?

Superguidis: Andrio: Acho que não. Esta porta já está aberta desde os anos 80. Claro que os caras são bons, mas acredito que a maior acolhida das mídias a esse universo independente teve uma grande participação aí.


Os gaúchos que querem conquistar o mundo

Pílula Pop: A primeira música de trabalho é "O Banana", já com clipe na MTV. De quem foi a idéia de trabalhar com animação?

Superguidis: Andrio: Quem idealizou o clipe foram nossos camaradas da "Açúcar Desenhos", capitaneada por Fabio Vieira e Rafaela Perazzolo, daqui de Porto Alegre mesmo. Foi feito aqui pertinho. O resultado foi um clipe todo bonitinho, sem a presença das nossas caras de babaca. (risos) Segundo as palavras de Fabio Vieira, "faltava uma cena pra finalizar e ninguém mais tinha idéias. Aí eu e a Rafaela fomos levar a cadela para defecar no Parque da Redenção... e lá me deu um baque! Cacete! Preciso fazer o banana com maquiagem de Ace Frehley (guitarrista do Kiss)! Isso é ser mau ao extremo! E o amor vai fazê-lo tocar musicas de garoto apaixonado!".

Pílula Pop: Vocês concordam que há uma estética loser no vídeo? O menininho meio nerd, mas que no final, tem um monte de outras menininhas a fim dele. Vocês acham que ser loser agora atrai as garotas, como o menino do clipe?

Superguidis: Andrio: Somos nerds e nenhuma garota veio até agora (risos). Brincadeira... A canção, escrita pelo Lucas, fala de uma descoberta do amor. O menino nerd do clipe não é um loser, na verdade. O problema é que ele não é correspondido, e só tem olhos para aquela menina. Está alheio a tudo o que o rodeia. Está pouco se lixando para aquelas outras garotas, no final.

Pílula Pop: No site da banda, vocês falam que têm influências de Pavement, Queens Of The Stone Age e Sonic Youth. E quanto às bandas nacionais? Alguma influencia vocês?

Superguidis: Andrio: Não, nenhuma. Gostamos de ouvir coisas brazucas, mas isso não respingou na nossa música.

Pílula Pop: Escutando as músicas, dá pra perceber que a banda soa menos gaúcha do que as suas conterrâneas. Vocês concordam que o sotaque aparece menos nas músicas da Superguidis do que de outras bandas gaúchas? Isso tem a ver com buscar outros mercados?

Superguidis: Andrio: Engraçado é que tem gente que, ao contrário, percebe sotacão gaúcho nos sons. O que ocorre é que eu me preocupo muito com que o pessoal ouça e entenda as letras, daí eu tento cantar da maneira mais inteligível possível (o que às vezes acarreta numa "forçadinha" de tons e coisas afins, e passa de raspão no gauchesco). Mas aquele sotaque clássico do rock gaúcho, aquela fala morfética com miados e arrastados, não faz parte mesmo do nosso vocabulário. E sim, o negócio é expandir, inflar! Não prender-se a limites geográficos e culturais.


Proibido virar à direita?

Pílula Pop: E quanto aos shows? Como andam as turnês? Existe a possibilidade de turnê por outros estados para a divulgação do disco?

Superguidis: Andrio: Assim que pagarmos as dívidas e juntarmos grana, claro que iremos nos endividar de novo com turnês. Mal vemos a hora!

» leia/escreva comentários (8)