Busca

»»

Cadastro



»» enviar

Bad ass rrrock

por Rodrigo Ortega

receite essa matéria para um amigo

Fabrício Nobre desmente aquele preconceito bobo de uns quilinhos a mais são indicativos de uma pessoa pouco esforçada. O cara compõee canta no MQN, um dos baluartes da cena independente nacional. A banda goiana se destacou com o disco Hellburst, de 2002, e desde então leva seu rrrock, com vários erres mesmo, para apresentações em casas descoladas por todo o Brasil. Bad Ass Rock’n Roll, além de um ótimo trocadilho, é o nome do segundo disco dos caras, lançado em 2005.

Fabrício ainda é um dos diretores da Monstro Discos, que desde 1998 lança bandas como Walverdes (RS), Hang the Superstars (GO), Brinde (BA), Autoramas (RJ), além do MQN. A Monstro também é produtora dos festivais Goiana Noise e Bananada, que reúnem todos os anos para Goiás as cenas independentes de todo o país. O último Bananada aconteceu no final de maio e lá estava Fabrício, como diretor da produtora, e como vocalista do no MQN.

Em falou um pouco ao Pílula Pop sobre o novo disco, que tem participações de integrantes da Cachorro Grande, e a correria para fazer rolar shows, bebidas e Bananadas.


Fabrício: "Alguém tem que fazer o trabalho sujo" (foto: Renato Reis)

Pílula Pop: Quais são as maiores diferenças que vocês percebem entre este Bad Ass Rock'n Roll e Hellburst? Quais faixas deste mais te agradam?

Fabrício Nobre - MQN: A principal diferença está na maneira em que foi gravado, saca? Hellburst foi feito quase ao vivo e em fita. Bad Ass foi gravado digitalmente e teve uma produção mais cuidadosa. Gosto dos dois! A minha favorita do Bad Ass Rock’n Roll é “Hard Times” mas acho que as favoritas da galera são as que têm refrões mais diretos, “Let it Rock” e “Cold Queen”.

Pílula Pop: Como rolaram as participações de Beto Bruno e Marcelo Gross, da Cachorro Grande, em "Cold Queen" e a troca de papéis em "Got This Thing On The Move"?

Fabrício Nobre - MQN: Somos amigos de Beto e Marcelo, e eles estavam aqui tocando e tomando cerveja. Falamos para eles que estávamos gravando as vozes do disco novo e eles toparam na hora. Foi rock! Já para “Got This Thing On The Move" (cover da banda norte-americana Grand Funk Railroad), o Miranda (baterista) cantou melhor do que eu... Ele sempre canta umas coisas nos discos, são quase todos dele os backing vocals do Hellburst. Miranda é multi-uso!

Pílula Pop: E os shows, na frente e atrás do palco?

Fabrício Nobre - MQN: Acho que é o sonho de toda banda independente, conhecer o Brasil tocando, estamos tendo esse prazer, está excelente mesmo! No Bananada (dia 20 de maio, no Martim Cererê, em Goiânia) , a banda tava meio bêbada já, por que estava muito tarde, mas foi rock... como sempre! E cara, como eu coordeno as trocas de palco, assisto sempre a uma ou duas músicas de cada banda... Fico moído no final do dia, mas vale a pena! Alguém tem que fazer o trabalho sujo!

Pílula Pop: Vi no blog do MQN que vocês curtem drinques, como um bom Mojito. Qual a sua melhor receita?

Fabrício Nobre - MQN: Cara, os drinques são especialidade da casa, mas não Mojitos. O forte nosso é coquetel Noite a Dentro... Dois red pills mais duas doses de tequila mais duas garrafas long neck de Antártica. Coisa linda! Não tem noite que não fica divertida!

Pílula Pop: O MQN esteve recentemente em Belo Horizonte, lar do staff do Pílula Pop. Como foi?

Fabrício Nobre - MQN: Belo Horizonte é nossa cidade favorita para se tocar, junto com Belém e Goiânia. A Obra é foda, Mercado Central é foda. Se tivéssemos uma Obra em cada capital do Brasil seria rock demais viver aqui! Sobre as bandas de BH gosto de muitas: Valv, Hot Rod Combo, Estrume'n'tal, Vellocet, Caipirinhas, Surfmotherfuckers, tem banda boa para cacete aí.

» leia/escreva comentários (1)