Busca

»»

Cadastro



»» enviar
Loja de Conveniências
Daniel Oliveira
Produtos da cultura pop devidamente remarcados e enfileirados. Mas lembre-se de verificar a validade e a qualidade antes de consumir.

Algumas coisas que você deve aceitar em Smallville

receite essa matéria para um amigo

1) Tom Welling e Kristin Kreuk não atuam bem. É fato. Os dois são bonitos, que só vendo – e há quem diga que parecem até irmãos. Mas não sabem atuar. Especialmente, quando você pensa em Christopher Reeve e Margot Kidder, a dupla que encarnou os Clark e Lois com perfeição e química quase insuperáveis.

Ah! Se você não sabe, Welling e Kreuk são, respectivamente, Clark Kent e Lana Lang, protagonistas do seriado. E não venha me dizer que Margot Kidder era Lois Lane e Kreuk é Lana. É claro que eu sei disso. Mas cada coisa é cada coisa e protagonista é protagonista.

Welling transformou o humor pateta de Reeve em uma inocência que beira a estupidez em alguns momentos. E Kreuk parece ter a mesma voz e a mesma expressão para interpretar sentimentos diversos – estilo Gianechinni de atuação, sabe? Mas quando ela sorri...ah, quando ela sorri...

2) Clark Kent quase sempre usa algo vermelho ou azul. Freqüentemente, os dois. É para você lembrar que ele é (ou será) o Superman, sacou? Repare que, quando ele não está portando as tais cores, alguma coisa no cenário está. Isso se chama semiologia.

3) Quando a história está interessante, aparece algum ‘meteorite freak’ para estragar. Na mitologia de “Smallville”, a chuva de meteoros que trouxe o Super-homem aparentemente afetou a cidade inteira. A proposta do seriado é desenvolver os personagens pré-longas-metragem, principalmente a relação entre Clark Kent e Lex Luthor. Ah! E se você também não sabe, no seriado os dois começaram como grandes amigos. Isso é até interessante. Mas sempre que começa a ficar bom, o roteiro aparece com alguém que sofreu mutação devido à chuva de meteoros e tem um super poder ridículo. Justificativa para cenas de ação, correria e Clark ter que usar os poderes dele. É um “seriado adolescente de ação”, entende?

4) A Chloe é muito legal! Personagem criada especialmente para a série, Chloe (mesmo nome de uma personagem muito legal de “24 horas” também) é inteligente, sarcástica e muito bonita. Ela tem um faro jornalístico impressionante e conta com as melhores frases de “Smallville”, como O mundo pode esquecer, mas o Google nunca esquece. Ajuda muito o fato da atriz Allison Mack ser uma das melhores do programa, seguida por Michael Rosenbaum, que vive o projeto de nêmesis Lex Luthor. Não é à toa que Matt Idelson, editor do Super-homem na DC Comics, já expressou seu desejo de levá-la para o universo regular do homem de aço nas HQs. Se o Clark do seriado fosse um pouco mais esperto, já teria esquecido da problemática Lana e ficado com a apaixonada Chloe – mais divertida, inteligente e bem resolvida. Ah! Mas aí teríamos um problema já que, segundo “Smallville”, a jornalista loirinha é prima de Lois Lane.

5) Clark e Lana quase sempre se encontram no final do episódio, de preferência, no celeiro da fazenda dele. É basicamente isso. Eles se encontram, a fotografia é super dourada, os dois fazem super caras de apaixonados. Discutem a relação de forma rasa, a Lana tenta fazer com que Clark diga seu segredo; ele tenta fazer com que ela entenda que ele acha que é perigoso para ela saber. Eles quase se beijam. Ela fica brava com o fato de ele não se abrir com ela. Ao fundo, uma música mela cueca (Coldplay, Lifehouse, Keane, baladinha emo...). O episódio acaba e todo em mundo em casa grita: “O Clark é muito cuzão!”

6) Clark e Lana não vão ficar juntos no final!!! Quando eu disse a um antigo colega meu de república, que reclamava que eles nunca se entendiam, que o casal protagonista não ia ficar junto no final, ele quase me bateu. “Vão, sim, senão qual é a graça?”. Juro que ele disse: “A Lana vai virar a Lois Lane depois!”. Claro que não, né, gente? Cai na real...

7) Os roteiristas pintam e bordam com as origens do Super-homem. Já foi inventada criptonita de tudo quanto é cor e com os mais variados efeitos sobre Clark. Quase um samba do crioulo doido. E, recentemente, eles mudaram ou “fizeram sua própria leitura” de um dos principais acontecimentos do início do “Superman: o filme”, de 1978. Os fãs hardcore reviraram os olhos 19 vezes. Agora, se você gosta de um bom pastiche misturado com novelão e seriado colegial adolescente...

Tom Welling...Eu nunca disse que ele não tenta...

--
Daniel Oliveira é jornalista e fã de Grey's Anatomy.
daniel@pilulapop.com.br

» leia/escreva comentários (16)