Busca

»»

Cadastro



»» enviar
Chá das cinco
Nara Mourão
Pequenas sutilezas cotidianas temperadas com uma dose de canela. Ou fragmentos da vida acompanhados de exagero crônico.

Dor no Peito

receite essa matéria para um amigo

Após uma escolha baseada no uso da razão, deixava a faculdade e os grandes amigos na cidade mais acolhedora que conheceu. Voltava a viver em lugar árido por um curso de melhor qualidade. E o curso ajudava a suportar as dores de sentir-se menos querida, menos dona do próprio espaço. Mas todo esse preâmbulo – Quem sabe digno da sua comoção, leitor? – tem importância menor neste relato.

O motivo da crônica começa a aparecer agora. Depois de um mês de aula no ambiente pouco afável, a Universidade entra em greve. Professores pedem reajuste salarial de 18%, o governo federal oferece 0,1%. Os 17,9% de diferença entre possibilidade e desejo determinam a mudança nos dias dela.

Volta para a casa dos pais, à qual sempre se considerou pertencente e pertencedora. Depois de passar por uma semana de ócio (enquanto toda a família continuava incumbida de afazeres), resolve arranjar alguma programação. A greve continua por tempo indeterminado.

Leu um número bem grande elevado a mol (embora qualquer infinitésimo elevado a mol torne-se enorme) de textos do Luis Fernando Veríssimo. Cansou-se, foi quando veio a lembrança: “Tenho um plano de saúde.” Eureca! Já sabia como ocupar os dias por vir: iria a todos os médicos possíveis.

Oftalmologista, dermatologista, clínico geral, homeopata... Quase marcou um urologista, mas foi salva a tempo. As primeiras consultas foram tranqüilas, porém, no clínico geral, a ventura começou a mudar.

– Boa tarde, doutor!
– Boa tarde! Como está? Qual o problema?
– Bom, problema-problema, não tem nenhum sério. Minha mãe é que está me achando muito branquinha e eu estou com uma soneira de dar inveja em Macunaíma.

O médico vira a, agora quase adulta, de fraldas. Riu e comentou com bom humor:

– Você sempre foi morena-jambo, né?

Continuaram o blábláblá por mais algum tempo e o doutor partiu para o exame. Nariz, ouvido, aquela mexida que todo médico dá na barriga (é quando o paciente teme a flatulência), inspiração, expiração, ausculta.

– Você já fez algum ecocardiograma?
– Nunca. Por quê?
– Durante a ausculta do coração, suspeitei de um probleminha. Posso estar errado, seria seguro fazer o exame para confirmar.

O sorriso largo da paciente torna-se miúdo. Tentando manter o olhar firme, ela pergunta sobre o problema. Após desenhar um coração com a mesma forma do corpo de uma borboleta, o médico explica:

– Provavelmente seus átrios direito e esquerdo comunicam-se. Como conseqüência, o sangue arterial e venoso se misturam um pouco. Os tecidos recebem menor oxigenação. Portanto, ao fazer alguma atividade física, cansa-se mais rápido.

A possível cardiopata, que nunca fora uma atleta, ficava mesmo esgotada com as corridas ocasionais (para não perder o ônibus), ou quando nadava, seu esporte predileto.

Saiu do consultório com o pedido de exame na mão direita e o coração problemático na esquerda. Chegou em casa e leu no mínimo uns vinte sites de medicina que se dedicavam ao assunto. Sabia o nome do septo imperfeito, os lugares onde o corte poderia ser feito em caso de procedimento cirúrgico, entre outros detalhes.

Começaram, então, os devaneios... A qualidade textual dela poderia melhorar com o problema: falaria da cardiopatia com a mesma sensibilidade de Manuel Bandeira ao falar de sua tuberculose. Acordou do sonho lúcido, sentia dor no peito. Nunca havia sentido dor naquele lugar, até o pós-consulta.

Ao contar para a mãe, iniciou-se um choro discreto partindo da mais velha. A filha tentou inutilmente acalmá-la. Só sossegariam (ou não) depois do ecocardiograma, o qual pôde ser marcado para o dia seguinte, devido à insistência da matriarca perante a secretária da clínica.

O amanhã demorou mais que os outros dias para chegar, mas chegou. Chegou também a hora do exame e junto dele a secretária pedindo que a menina ficasse sem metade dos seios, se livrando do sutiã de enchimento.

A médica que fazia o “ultra-som do coração” entrou na sala. Mostrou para a menina o coração em branco e preto, na tela de um monitor. Com uma destreza incrível, a examinadora foi nomeando as partes componentes daquele volume amorfo na tela; parecido com um filme antigo. O som do coração também foi ouvido. A paciente pensou consigo mesma que acaso tivesse alguma perícia para música, faria uma com aquela batida.

Decorridos alguns minutos, ouviu-se um novo som. A voz doce da médica falava com entusiasmo:

– Seu coração está ótimo. Você tem um soprinho mínimo, de relevância nenhuma. É brisa no peito!

O sorriso largo se abriu. Ela estava feliz por ter sido cardiopata durante um dia. Decidiu desmarcar as outras consultas. Jurou para si mesma que só voltaria a procurar um médico quando a dor fosse real. Programação para o resto da greve: jogar sinuca.

--
Nara Mourão adora um sorriso largo, mas garante que o dela não passa de 32 dentes.
narachamou@yahoo.com.br

» leia/escreva comentários (23)