Busca

»»

Cadastro



»» enviar

Guy Ritchie

por Daniel Oliveira

receite essa matéria para um amigo


Simpático +...
Guy Ritchie deve ser um cara muito legal. Qual outro motivo para um sujeito dislexo, sem muita educação formal, britanicamente feio e ex-pedreiro se tornar um dos maridos mais duradouros da Madonna? Dois filmes super-hiper-mega hypados podem até ajudar, mas não explicam. Acompanhe:

Nascido Guy Stuart Ritchie aos 10 de setembro de 1968 em Hertfordshire, o inglês viu seus pais se divorciarem quando tinha apenas cinco anos. Ainda criança, assistiu ao faroeste “Butch Cassidy and the Sundance Kid” e decidiu se tornar cineasta. Dislexo, deixou a escola aos 15 anos, mal completando o 2º grau. Chegou a trabalhar como pedreiro, mas logo conseguiu um emprego como mensageiro em um set de filmagens.

Aproveitou a chance para aprender a operar uma câmera e passou a dirigir vários videoclipes, trabalhando até para bandas alemãs. Em 1995, fez “The hard case”, um curta de 20 minutos. Trudie Styler, esposa de Sting, assistiu ao trabalho e decidiu investir no próximo projeto do rapaz. O curta acabou virando uma pré-seqüência para “Jogos, trapaças e dois canos fumegantes”, longa de 1998 que catapultou Guy para os níveis estratosféricos do hype. E o resto é história. O filme destroçou as bilheterias britânicas e revelou ao mundo o Bruce Willis inglês, Jason Statham.

A edição rápida e o visual estiloso estavam no DNA. Seu pai, John Ritchie, era publicitário e realizou uma aclamada série de comerciais para a marca de cigarros Hamlet. O resto veio da parceria com o produtor Matthew Vaughn, que trabalhou com ele também em “Snatch – porcos e diamantes”, de 2000, e foi seu padrinho no casamento com Madonna no mesmo ano.

A convivência pós-escola com maus péssimos elementos no submundo londrino deu a seus filmes o frescor das gírias rápidas, incisivas – e quase intraduzíveis – que marcaram suas duas primeiras obras. Saindo delas, Ritchie escorregou feio na refilmagem “Destino insólito”, com a patroa, e no quase não-assistido “Revólver”.

Além de seu pior filme, o casamento rendeu um videoclipe (What it feels like for a girl), um curta (Star, para uma série da BMW) e os filhos Rocco John e David Banda Mwale, adotivo. Fora do cinema, Ritchie criou, em 2003, um quadro de câmera escondida para o Canal 5 inglês, chamado “Swag”; e, em 2007, escreveu The gamekeeper, uma série de HQs,

Seu casamento acabou em 2008, mesmo ano em que ele re-engrenou a carreira, voltando a lançar um filme decente com “Rock’n’rolla” – em que retorna ao submundo inglês - e anunciando um “Sherlock Holmes” protagonizado por Robert Downey Jr. e Jude Law.

Coincidência? Ou quem sabe ele não vira o próximo Sean Penn?

...disposto a arruinar sua carreira=casamento com Madonna.
Filmografia
  • The gamekeeper (2010), anunciado
  • Sherlock Holmes (2009)
  • Rock’n’rolla – a grande roubada (2008)
  • Suspect (2007), TV
  • Destino insólito (2002)
  • Star (2001), curta
  • Snatch – porcos e diamantes (2000)
  • Jogos, trapaças e dois canos fumegantes (1998)
  • The hard case (1995), curta

» leia/escreva comentários (4)