Busca

»»

Cadastro



»» enviar

Natalie Portman

por Rodrigo Campanella

receite essa matéria para um amigo


A menina dos olhos...
“Quando eu era mais nova, sempre fazia a precoce. Hoje, com vinte anos, faço a mais garotinha. Significa que eu não mudei muito e isso não é bom.” A israelense Natalie Portman, nascida Natalie Hershlag em 9 de junho de 1981, em Jerusalém não entrou para o cinema tão nova quanto pode parecer. Apenas aos 12 anos apareceu em seu primeiro filme, “O Profissional”, de Luc Besson. Sucesso imediato, lançou o sobrenome Portman ao estrelato.

A grande diferença entre ela e a maior parte das estrelas de vinte e poucos anos atuais acontece exatamente nesse ponto. Ao invés de seguir o modelo e se tornar rapidamente uma rainha adolescente de comédias fast-food, Portman colocou os lapizinhos de fora ao invés da barriga e foi estudar. Fazendo um filme aqui e outro acolá (“Fogo Contra Fogo”, “Brincando de Seduzir”, “Marte Ataca!”) completou o colegial como aluna exemplar e antes da faculdade se gabava por nunca ter fumado ou bebido.

Ser um exemplo de bom comportamento para as garotas da própria idade era algo que ela levava como um troféu até pouco tempo atrás – provavelmente até a época da declaração que abre esse perfil. Aquilo a levou tanto a recusar o papel principal em “Lolita” (por não concordar com o roteiro e pelo receio de virar um fetiche), quanto a ficar conhecida por dezenas de declarações questionando o papel de objeto sexual da mulher, especialmente em filmes. Ao invés de Lolita, foi para os palcos fazer um elogiado “O Diário de Anne Frank” na Broadway.

Na carreira de Portman há dois big hits, um escancaradamente declarado e outro mais sutil. O primeiro é o papel da Senadora/Rainha Padmé Amidala na série dos três primeiros episódios de “Guerra nas Estrelas”, rodados durante sua adolescência e a faculdade de psicologia em Harvard, na qual se formou em 2003. O outro veio pelas mãos do diretor Mike Nichols, meses antes da estréia do último filme da série de George Lucas, e atende pelo nome de “Closer – Perto Demais”. Não foi a cena inicial em que ela praticamente pára trânsito e calçadas de Londres, que fez toda a diferença. O papo em “Closer” é sexo, dor, traição, carência e Natalie dá corpo e fúria a Alice, a personagem que desequilibra o tabuleiro cuidadosamente armado para não fazer nada vir à tona. Indicada ao Oscar e ao Globo de Ouro pelo papel, levou o segundo como melhor atriz coadjuvante.

Antes disso, ela já havia flertado com o indie em “Hora de Voltar”, de Zach Braff, o J.D. de Scrubs. Depois, se aventuraria nas próprias raízes com “Free Zone” de Amos Gitai e, finalmente, como a Evey de “V de Vingança”. Ao lado do mascarado ‘V’, Evey ganha consciência e passa de menina a mulher de fibra. Portman, que ainda vai ser vista esse ano em “Goya’s Ghosts” e hoje filma “Mr. Magorium’s Wonder Emporium” também mudou. Afastou-se um pouco do rótulo fácil de boa menina, fumou e bebeu (um pouco...) na faculdade e transformou suas opiniões firmes de menina em pensamentos maduros. Como a Alice de “Closer”, abram alas que ela vai passar.

...do novo cinema cult americano.
Filmografia
  • Best Buds (2011), em pré-produção
  • Pride and prejudice and Zombies (2011), em pré-produção
  • Thor (2011), em produção
  • Your highness (2010), em pós-produção
  • Black swan (2011), em pós-produção
  • Hesher (2010)
  • Nova York, eu te amo (2009)
  • Entre irmãos (2009)
  • A outra (2008)
  • Um beijo roubado (2007)
  • Hotel Chevalier - Viagem a Darjeeling (2007)
  • A loja mágica de brinquedos (2007)
  • Sombras de Goya (2006)
  • Paris, Je t’aime (2006)
  • V de Vingança (2006)
  • Free Zone (2005)
  • Episódio 3: A Vingança dos Sith (2005)
  • Domino One (2005)
  • Closer – Perto Demais (2004)
  • Hora de voltar (2004)
  • True (curta) (2004)
  • Cold Mountain (2003)
  • Episódio II: O Ataque dos Clones (2002)
  • Onde Mora o Coração (2000)
  • Em Qualquer Outro Lugar (1999)
  • Guerra nas Estrelas Episódio I: A Ameaça Fantasma (1999)
  • Todos Dizem Eu Te Amo (1996)
  • Marte Ataca! (1995)
  • Fogo Contra Fogo (1995)
  • Brincando de Seduzir (1995)
  • Developing (curta) (1994)
  • O Profissional (1994)

» leia/escreva comentários (7)