Busca

»»

Cadastro



»» enviar

Pixar

por Rodrigo Campanella

receite essa matéria para um amigo


Lasseter abre um sorriso
envergonhado...
Toda vez que um filme da Pixar começa, ele presta uma homenagem às próprias raízes. Foi com aquela luminária que entra pulando na tela que a história toda começou.

Em 1984, John Lasseter resolveu deixar seu emprego como animador na Disney. Seu destino foi a Graphics Group, integrante da divisão de efeitos especiais da Lucasfilms, de George Lucas. Precisando de alguns milhões, em pouco tempo Lucas venderia a Graphics para Steve Jobs (o fundador da Apple), que faria do lugar uma nova empresa, chamada Pixar.

A princípio, a Pixar trabalhava com equipamentos e programas para tratamento de imagens, mas só afundava no mercado. Tentando reverter a situação, Lasseter começou a fazer projetos em animação para mostrar o potencial dos produtos da Graphics Group – e também propagandas publicitárias, para colocar dinheiro no caixa da empresa. Ele já havia finalizado um primeiro curta na Lucasfilms, “The Adventures of André and Wally B.”, mas foi com a luminária que tudo começou a mudar.

“Luxo Jr.”, a pequena história de um pai-luminária e seu filho-luminariazinha foi o primeiro curta a ser produzido sob as asas da Pixar. Aos poucos, a prioridade da empresa passaria a ser o que ali se produzia de melhor: animações. A empresa lançou mais um curta em cada um dos próximos três anos, além de propagandas em animação. Impressionada com o trabalho (e muitos prêmios), a Disney correu para propor uma aliança: a Pixar aceitou produzir no mínimo três filmes para a empresa do Pato Donald.

Se a parceria rendeu toneladas de dinheiro para a Disney, rendeu também muita grana e prestígio para os pixarianos. “Vida de Inseto”, “Monstros SA.”, “Procurando Nemo” e “Os Incríveis” foram um estouro de bilheterias e elogios por todo canto. Também pudera: a Pixar tinha levado o padrão Disney de animação para outro nível – tanto visual quanto de inteligência e ironia. E, ironicamente, um dos programas de maior sucesso no mercado de tratamento de imagens é um produto Pixar – o RenderMan.

Junto dos longas, os curtas continuavam passando a sacolinha e recolhendo prêmios: “Geri´s Game” e “For the Birds” são clássicos instantâneos – uma boa idéia, um mínimo de recursos e uma lição de animação.

E aquele mesmo John Lasseter voltou para a Disney, em 2006 – para ser Chefe da Divisão Criativa dos Estúdios Disney e Pixar. O posto faz parte de um negócio em que, por 7.4 bilhões de dólares, a Disney comprou a Pixar. Na verdade, uma troca de ações, onde para ganhar a parceira/rival, a Disney entregou um pedaço dela mesma. Na corrida do ouro animado, a Disney fez sua aposta para ser a nova Pixar antes que o contrário se tornasse verdade.

...mas se sente muito à vontade em casa.
Filmografia
  • Toy story 3 (2010)
  • Up - Altas Aventuras (2009)
  • WALL-E (2008)
  • Ratatouille (2007)
  • Mater and the Ghostlights (curta-metragem, inédito) (2006)
  • Carros (2006)
  • One Man Band (curta-metragem) (2005)
  • O Ataque do Zézé (curta-metragem) (2005)
  • Os Incríveis (2004)
  • Boundin’ (curta-metragem) (2003)
  • Procurando Nemo (2003)
  • O Carro Novo de Mike (curta-metragem) (2002)
  • Monstros SA. (2001)
  • Buzz Lightyear do Comando Estelar – A Aventura Começa (vídeo) (2000)
  • For the Birds (curta-metragem) (2000)
  • Toy Story 2 (1999)
  • Vida de Inseto (1998)
  • Geri’s Game (curta-metragem) (1997)
  • Toy Story (1995)
  • Knick-Knack (curta-metragem) (1989)
  • Tin Toy (curta-metragem) (1988)
  • Red´s Dream (curta-metragem) (1987)
  • Luxo Jr. (curta-metragem)(1986)
  • The Adventures of André and Wally B. (curta-metragem) (Lucasfilms – 1984)

» leia/escreva comentários (1)