Busca

»»

Cadastro



»» enviar

O Diabo vai para o Alasca em família

17.07.09

por Taís Oliveira

A proposta

(The proposal, EUA, 2009)

Dir: Anne Fletcher
Elenco: Sandra Bullock, Ryan Reynolds, Mary Steenburgen, Craig T. Nelson, Betty White, Dennis O'Hare, Malin Akerman, Oscar Nuñez

Princípio Ativo:
copia e cola

receite essa matéria para um amigo

Nas comédias românticas, o final é geralmente óbvio. Por isso mesmo, o mais importante é sempre o desenvolvimento: o jeito que vamos rir e nos emocionar até o casal ficar junto. E, ao usar argumentos repetidos, “A Proposta” falha exatamente nesse quesito.

Margaret Tate (Sandra Bullock) é uma Margaret Thatcher dos livros. A editora durona faz o assistente Andrew (Ryan Reynolds) de gato e sapato, num “Diabo Veste Prada” com roupas e piadas piores (mas ainda com Louboutins). O casamento arranjado para que Tate não seja deportada para o Canadá, além de ser um bom negócio para os dois - já que Andrew terá a chance de subir na carreira - é uma ótima justificativa para que eles passem juntos aquele tempo necessário para que pessoas se apaixonem em uma comédia romântica.

Ao chegar no Alasca para a festa de 90 anos da avó de Andrew, a personagem de Sandra Bullock encarna de vez a Susan Mayer de Desperate Housewives: deixa o cachorro ser pego pela águia, perde o celular para o mesmo pássaro e sai por aí pelada (com muita dignidade nos seus 44 anos, vale lembrar). Numa tentativa de humor pelo absurdo, a diretora Anne Fletcher erra a mão e acaba por tornar o filme forçado – a exemplo da cena em que a avó faz um ritual na floresta e Margaret começa a cantar e dançar funk.

Melhor seria investir nas cenas de desconforto, em que o casal precisa se beijar na frente de todos para corroborar a farsa, ou em que a editora fria e certinha precisa lidar com a espontaneidade da família (que a leva para um show de striptease protagonizado por Oscar Nuñez, em um papel estereotipado decepcionante para os fãs de The Office). Sandra Bullock é quem garante o filme nesses momentos, fazendo o que sabe fazer melhor, mesmo que parecida demais com a Meredith Morton de “Tudo em Família” – Bullock até repete o tique de limpar a garganta algumas vezes.

E se “A Proposta” não é dos melhores na hora de provocar risadas, também não consegue fazer uma bonita história de amor. A mudança da personagem de Bullock e a forma como ela se apaixona ao conhecer melhor o assistente convencem (com a ajuda da atriz), mas Andrew parece ter poucos motivos para começar a gostar da chefe. Ele precisa falar exatamente o momento em que isso aconteceu, tão falha é a demonstração. Não que o longa chegue a ser insípido mas, sendo um “filme de entretenimento”, poderia entreter mais.

Mais pílulas:
- Licença para casar
- 2 dias em Paris
- Separados pelo casamento
- ou Navegue por todas as críticas do Pílula

Ooops...lembrou da Scarlett =/

» leia/escreva comentários (0)