Holy Motors

Nossa avaliação

[xrr rating=4.5/5]

“Holy Motors” é uma ode ao poder da representação. Não no sentido restrito de performance ou atuação, mas da capacidade de transformar imagens mentais em ação. De traduzir estados de espírito, convenções sociais e símbolos coletivos em cenários que permitem a um espectador ao mesmo tempo experimentá-los por catarse e entendê-los intelectualmente.

O filme do diretor francês Leos Carax é uma homenagem a todos os artistas que se entregam a esse trabalho. Mas na performance do ator Denis Lavant – que talvez mereça mais que qualquer outra na história do cinema ser chamada de um tour de force – acaba se tornando uma declaração de amor mais específica ao ofício de atuar. Ele é o homem que transita pelas ruas de Paris em direção a nove “compromissos”, assumindo um personagem diferente – experimentando um sentimento e uma faceta diferente do “representar” – em cada um deles.

Começando por uma velha mendiga corcunda “invisível”, passando por uma espécie de Andy Serkis do motion capture e um Rumpelstiltskin que liberta uma modelo (Mendes) de uma representação morta em que um fotógrafo rouba sua alma em um cemitério, o longa parece honrar primeiro os artistas que desaparecem em seu ofício. Em seguida, porém, Lavant vive um pai desapontado que confronta a timidez da filha, um velho no leito de morte ao lado da sobrinha e um homem que encontra um amor perdido (no belo número musical de Kylie Minogue), cenários que referenciam artistas que suscitam emoções mais pessoais em seus trabalhos.

O Artista.

No meio disso, o protagonista ainda vive assassinatos e situações de vida e morte em que Carax e Lavant parecem comentar sobre como o artista vive situações extremas, dada a natureza do seu dia a dia. E, em decorrência disso, como ele só consegue estabelecer conexões humanas “reais” e experimentar o mundo através de sua arte – especialmente no sarcasmo do último cenário, quando o homem volta para sua “família”. A confusão que vai tomando conta do protagonista à medida que esses cenários se acumulam é um retrato do processo de quem vive de criar e sua dificuldade em se desvincular desses projetos quando eles acabam.

Acima de tudo, “Holy Motors” é um filme de símbolos. A limusine é o “veículo” que permite ao artista expressar seu processo (vide o comentário claro feito na última cena do longa). A motorista Céline (Scob) é a diretora que o conduz de um lugar (emocional) a outro, protegendo-o e expondo-o ao mesmo tempo. E Carax deixa claro o caráter de estudo/observação/análise do homem/artista de seu filme nas intermissões com um homem nu em preto-e-branco no início, meio e fim. “Holy Motors” não é uma obra para qualquer um, muito menos para ser vista só uma vez. Mas quem se dispuser a debruçar sobre seus vários significados, pode sair dali com uma dissertação de Mestrado, uma tese de Doutorado ou simplesmente muito combustível para intermináveis conversas de boteco.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • A gente
  • Home
  • Retro
  • Homeopatia
  • Overdose
  • Plantão
  • Receituário
  • Ressonância
  • Sem categoria
  • 2020
  • 2019
  • 2018
  • 2017
  • 2016
  • 2015
  • 2014
  • 2013
  • 2012
  • 2011
  • 2010
  • 2009