A Filha de Ninguém

Nossa avaliação
Nobody's Daughter Haewon (2013)
Nobody's Daughter Haewon poster Direção: Sang-soo Hong
Elenco: Eun-chae Jung, Sun-kyun Lee, Joon-Sang Yoo, Ji-won Ye


“A morte não tem segredos. Não abre portas. É o fim de uma pessoa. O que sobrevive é o que ela ou ele deram às outras pessoas, o que permanece na memória alheia”

Este é um trecho de “A Solidão dos Moribundos”, livro de Norbert Elias que Haewon, personagem principal de “A Filha de Ninguém”, pega em determinado momento em uma biblioteca. O filme não trata especificamente da morte, mas a noção de finitude perpassa todo o longa. A tese principal da obra de Elias – a amizade e solidariedade dos vivos como forma de mudar nossa atitude frente à morte – irriga a trajetória de encontros e desencontros da garota sul-coreana.

Haewon (em uma interpretação delicada e apaixonante de Jeoung Eun-chae) se encontra em um momento de transição com a mudança da mãe para o Canadá. Sozinha e carente, a estudante de artes cênicas acaba se envolvendo novamente com Seongjun (Lee), um professor e diretor de cinema casado com quem já teve um relacionamento secreto. Acompanhamos então o dia a dia desta jovem que, conforme diz um dos personagens do filme, “não se encaixa no modo de vida coreano”.

A câmera de Hong Sang-soo se coloca como observador: faz-se presente através do zoom e movimentos que chamam a atenção para si. É como se nos ofertasse o voyeurismo sem culpa, o filme com consciência de que está sendo assistido.  Já em momentos mais definidores, o diretor prefere longos planos fixos, permitindo que nossa observação aos poucos se transforme em cumplicidade, e de voyeurs passamos a participantes da história. Um exemplo é um dos melhores momentos do longa, em que uma cena de bebedeira (característica da filmografia de Sang-soo) é ao mesmo tempo tensa, engraçada e reveladora.

É interessante a atração mútua da garota com homens mais velhos. Ela se encanta por eles, eles se encantam por ela. Para Haewon estes homens talvez estejam mais próximos da posteridade, oferecem a segurança de algo que dura, permanece, diferente da efemeridade juvenil.  E para eles, ela pode ser a própria vida. Injeta beleza e luz em seus cotidianos pela simples espontaneidade de viver.

Sung-joon diz ter pouco para deixar após sua morte: apenas filmes, o nome e o filho. Esta preocupação em deixar marcas é uma constante na narrativa, mas e o efêmero? É preciso algo grandioso para sobreviver na memória? Sung-joon não lembra do motel em que dormiu com Haewon, algo que para ela é inesquecível. A tensão das pequenas versus as grandes coisas da vida (e o que é “grande” e o que é “pequeno”) flui por entre os personagens, transbordando da tela e nos fazendo refletir do lado de cá também.

Lembrando muitas vezes a estrutura da trilogia “Antes do Amanhecer”, a produção de Hong Sang-soo é dramática, sensível e irônica.  Uma obra com tempo próprio, contemplativo, em que a solidão dos moribundos (e a dos não-moribundos também) se transforma em força viva pela arte do encontro. Voltando a Elias, o que sobrevive é o que se dá ao outro. Seja isso um simples momento de carinho ou uma potente desilusão amorosa.

Ou um filme como “A Filha de Ninguém”.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • A gente
  • Home
  • Retro
  • Homeopatia
  • Overdose
  • Plantão
  • Receituário
  • Ressonância
  • Sem categoria
  • 2020
  • 2019
  • 2018
  • 2017
  • 2016
  • 2015
  • 2014
  • 2013
  • 2012
  • 2011
  • 2010
  • 2009