Pilulista: Os 10 melhores filmes de 2021

10. Clara Sola (dir. Nathalie Álvarez Mesén)

Clara Sola é um filme obcecado com imagens de limitação e aprisionamento. As fitas roxas usadas pela mãe para determinar até onde a protagonista Clara (Wendy Chinchilla Araya) pode ir ao sair de casa. Os insetos aprisionados por ela em redomas de copos e vasilhas. O próprio corpo da personagem principal, com a deformidade na coluna que sua mãe recusa a operar, que aprisiona o desejo e a plenitude da mulher que Clara deseja ser. (Daniel Oliveira, fonte: site Cenas de Cinema)

9. Luca (dir. Enrico Casarosa, Disney +)

Luca traz uma jornada despretensiosa e bonita, de amizade e amadurecimento, como há muito a Disney/Pixar não faz. E talvez, pela leveza e inocência na forma como conduz os personagens e os desdobramentos da sua história, seja exatamente o que precisávamos em um ano tão duro e solitário.

8. Shiva Baby (dir. Emma Seligman – Mubi)

Em Shiva Baby, Danielle (Rachel Sennott) é uma jovem bissexual ainda indecisa sobre sua carreira profissional. Ela se sente pressionada pelos pais a tomar um rumo na vida e encontra maneiras alternativas de ganhar dinheiro. Quando vai a um funeral junto de sua família, ela passa por vários momentos constrangedores.

7. Homem Aranha: Sem Volta pra Casa (dir. Jon Watts)

A aventura de Peter Parker (Tom Holland), que busca apagar a memória de todos que sabem sua verdadeira identidade, acaba jogando o herói em confronto com inimigos de outras versões do Homem Aranha. É uma história que se vale da nostalgia para empolgar o espectador, ainda que escorregue um pouco no agrado aos fãs e se perca em algumas situações desnecessárias à história.

6. A Filha Perdida (dir. Maggie Gyllenhall – Netflix)

Nessa adaptação do livro de Elena Ferrante, as férias pacatas de uma mulher mudam de rumo quando sua obsessão por uma jovem mãe hospedada nas proximidades traz à tona antigas lembranças.

5. Duna (dir. Dennis Villeneuve – HBO Max)

Em mais uma adaptação da lista, nessa nova versão do livro homônimo de Frank Herbert, o Duque Leto Atreides (Oscar Isaac) manda seu filho, Paul Atreides (Timothée Chalamet) e seus servos e concubina Lady Jessica (Rebecca Fergunson) para Duna. O destino concentra enorme riqueza, mas também o povo mais sofrido. E é lá que Paul vai encontrar seu destino e seguir o caminho para ser o escolhido.

4. Ataque dos Cães (dir. Jane Campion – Netflix)

Um fazendeiro durão trava uma guerra de ameaças contra a nova esposa do irmão e seu filho adolescente, até que antigos segredos vêm à tona.

3. Druk – Mais Uma Rodada (dir. Thomas Vinterberg)

Thomas Vinterberg repete a parceria com Mads Mikkelsen – a outra foi no genial A Caça – para entregar um filme mais leve dessa vez. Para alegrar um amigo em crise, um grupo de professores decide testar a ousada teoria de que o homem consegue alcançar uma versão melhor de si com um pouco de álcool no sangue. A história tem inúmeros momentos tensos em que dramas mais pesados poderiam se desenrolar, mas opta por caminhos mais suaves e mundanos. E isso é ótimo.

2. Quo Vadis, Aida? (dir. Jasmila Zbanic)

Uma professora trabalha como tradutora para a ONU na Guerra da Bósnia. Quando o exército inimigo invade a cidade, ela faz de tudo para ajudar a comunidade enquanto tenta desesperadamente salvar a própria família.

1. Meu Pai (dir. Florian Zeller – Paramount)

O filme de Florian Zeller coloca o espectador na cabeça de um pai, interpretado magistralmente por Anthony Hopkins, em processo de demência. Assistindo ao filme a gente transita nas sensações de confusão, paranoia, constrangimento e melancolia dos personagens.

Listas individuais:

Braulio Lorentz (editor do Pop & Arte, do G1)

  1. Druk
  2. Quo vadis, Aida?
  3. Ataque dos Cães
  4. Meu Pai
  5. First Cow – A Primeira Vaca da América

Daniel Oliveira (crítico de cinema do Cenas de Cinema e membro do júri do 66º Festival de Cinema Internacional de Valladollid)

  1. Quo Vadis, Aida? (dir. Jasmila Zbanic)
  2. Clara Sola (dir. Nathalie Álvarez Mesén)
  3. Titane (dir. Julia Ducournau)
  4. Compartment Number 6 (dir. Juho Kuosmanen)
  5. Ataque dos Cães (dir. Jane Campion)
  6. Spencer (dis. Pablo Larraín)
  7. Nós Duas (dir. Filippo Meneghetti)
  8. A Filha Perdida (dir. Maggie Gyllenhall)
  9. Um Fascinante Mundo Novo (dir. Mona Fastvold)
  10. A Chorona (dir. Jayro Bustamante)
  11. Bonus track: Meu Pai (dir. Florian Zeller)

Guerrinha (designer e ilustrador)

  1. Meu Pai
  2. Druk
  3. Duna
  4. Os Tradutores
  5. Luca
  6. Homem Aranha: Sem Volta pra Casa
  7. 007 – Sem Tempo para Morrer
  8. A Família Mitchell e a Revolta das Máquinas
  9. Anônimo
  10. Judas e o Messias Negro

Mari Gogu (designer e criadora do Eu Te Dedico)

  1. A Filha Perdida
  2. Shiva Baby

Rodrigo Ortega (editor de música do Pop & Arte do G1)

  1. Meu Pai
  2. O Ataque dos Cães
  3. Nomadland
  4. Quo Vadis, Aída?
  5. Druk
  6. Summer of Soul
  7. Minari
  8. Luca
  9. Rocks
  10. Shiva Baby

Tico Pedrosa (editor de HQ do Pílula Pop)

  1. Meu Pai
  2. Duna
  3. Esquadrão Suicida
  4. Eternos
  5. Homem Aranha – Sem Volta Pra Casa
  6. Tick Tick Boom
  7. A Família Mitchell e a Revolta das Máquinas
  8. Judas e o Messias Negro
  9. Nomadland
  10. Não Olhe Pra Cima

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • A gente
  • Home
  • Retro
  • Homeopatia
  • Overdose
  • Plantão
  • Receituário
  • Ressonância
  • Sem categoria
  • 2022
  • 2021
  • 2020
  • 2019
  • 2018
  • 2017
  • 2016
  • 2015
  • 2014
  • 2013
  • 2012
  • 2011