Busca

»»

Cadastro



»» enviar

A neta do Francisco não consegue

31.08.05

por Rodrigo Ortega

Wanessa Camargo - W

(BMG, 2005)

Top 3: “Knock, knock, knock", "Meu menino", "Não resisto a nós dois"

Princípio Ativo:
Modernice-wannabe e baladas mela-cueca

receite essa matéria para um amigo

Pelo menos ela não gravou nenhum dueto com um rapper. Wanessa Camargo fazendo versinhos, caras e bocas para acompanhar um mano qualquer seria osso. Escapamos por pouco, já que a filha de Zezé de Camargo e Luciano anunciou uma reviravolta em seu quinto disco, W. Para aprender sobre modernice, contratou, segundo a revista Veja, dois personal stylists e um psicanalista. Chamou ainda o produtor Apollo 9 (Otto, Mundo Livre S/A). Ficou entre o contemporâneo-wannabe e o romantismo insosso à moda de seus pais.

Queria soar como Madonna ou Shakira, mas ficou mais para Roberta Miranda. “Amor amor”, primeira música de trabalho do disco, é calcada no reggaeton, ritmo latino que inspirou também “La tortura”, último hit de Shakira. Acaba remetendo à boa (?) e velha lambada, sem mexer com os quadris como os antigos sucessos do ritmo proibido. E essa é uma das faixas com mais potencial radiofônico do disco. Outras, como “Me devorar”, ficam ainda mais longe do suposto novo lado sedutor de Wanessa.

“Vem sentir meu corpo suar / Sua boca quero encontrar / E sentir seu lábio me molhar / Sua língua quer me lambuzar”, canta Wanessa em “Meu Menino”. Se não fosse um poperô farofeiro, seria uma música legal. Ela tenta ser electro ou coisa que o valha em “Eu sou” e na inacreditável “Festa na Floresta” (“No céu, na terra, no fogo ou no mar / Pois hoje é festa / Lá na floresta / Eu e você / Nossa magia”). O único resquício de inocência perdida da garota é “Knock, knock, knock”, com onomatopéias que divertem.

Mas o romantismo mela-cueca não some do repertório da moçoila. Wanessa participou da composição de onze das quinze faixas do disco. A balada “Minha vida gira em torno de você”, é uma parceria dela com um de seus pais, Zezé di Camargo. A primeira metade do disco é toda preenchida com violões e versos de amor. Sua voz está mais grave e segura, com menos gemidos. “Culpada” tem pianos, violinos e arranjo mais respeitáveis no “padrão MPB de qualidade”. Ou seja, mais tediosa ainda.

Em “Não resisto a nós dois” ela canta: “Você é mel e sal / Você é o bem e o mal / Você me deixa sem sono / Feito um cãozinho sem dono”. Provoca compaixão, não pela comparação com o cãozinho, mas pela coragem de cantar tais versos. Ela podia aproveitar o embalo da letra e fazer um remix em parceria com o Dogão. Pensando bem, seria no mínimo engraçado. Mas Wanessa Camargo é uma pessoa que não consegue.

Dois personal stylists, mesmo assim ela não consegue

» leia/escreva comentários (17)