Busca

»»

Cadastro



»» enviar

O tijolo da civilização

23.03.10

por Cedê Silva

O Livro de Eli

(The Book of Eli, Estados Unidos, 2010)

Dir.: Irmãos Hughes
Elenco: Denzel Washington, Mila Kunis, Gary Oldman, Malcolm McDowell

Princípio Ativo:
A Palavra

receite essa matéria para um amigo

(Aviso de spoilers: É impossível resenhar este filme adequadamente sem alguns spoilers. Você foi avisado).

O que você faria se tivesse em mãos a última Bíblia do mundo? Alguns leitores vão sorrir maliciosamente diante da ideia e lembrar de uma frase sobre “o último rei e o último padre”. Todos os outros vão curtir O Livro de Eli, um filme de ação pós-apocalíptico superior a Eu sou a Lenda no enredo e na profundidade, embora inferior em mergulhar o espectador na ação.

Eli (Denzel Washington) é um andarilho numa América devastada por um desastre e uma guerra nunca explicados. Comida e água são itens de luxo, não existem instituições democráticas e há uma cena bonita envolvendo o último xampu do mundo. É como o Haiti, só que muito maior e mais vazio. Caminhando ao lado de Eli nessa vastidão, onde ele mata gatos a flechadas para comer, o espectador descobre sua missão: levar um misterioso livro para o Oeste.

A aventura inclui dois combates corpo-a-corpo contra vários oponentes ao mesmo tempo, mas a viagem é interrompida apenas num lugarejo dominado por um velho chamado Carnegie (Gary Oldman). Lá Eli conhece Solara (Mila “Jackie” Kunis, em atuação passável, mas sua cena de camisola vale o ingresso), uma jovem escrava que, como quase todos nascidos após a guerra, é analfabeta.

Carnegie não se ocupa de ensinar seu povo a ler: em vez disso, manda seus andarilhos em emboscadas para roubar gente e livros. Eles conseguem cópias surradas de O Código da Vinci e revistas de fofoca, mas não um poderoso tomo que, Carnegie imagina, lhe dará o poder de conquistar as gentes de outras cidades. Tomo que, óbvio, está com Eli. E Solara, óbvio, se apaixona por ele e vai ajudá-lo em sua aventura. O que se segue é uma longa e alucinante seqüência de ação, terminando com um interessante twist no clichê do “casal de velhinhos bondosos que moram à beira da estrada”.

Quase todo filme pós-apocalíptico esbarra no epílogo. É o caso de Inteligência Artificial e do já-mencionado Eu sou a Lenda. É também o caso de O Livro de Eli, numa discreta cena na qual o objeto-título é reduzido a mais um entre seus iguais. A curta e boba tomada multiculturalista não arranca o grande mérito do filme: mostrar que, seja num cenário pós-apocalíptico ou na atual sociedade de abundância, a Bíblia é o fundamento maior da nossa civilização, e, malgrado os que querem usá-la para manipular pessoas, nenhuma reconstrução é possível sem ela.

Mais pílulas:
- DNA - Denzel Washington
- Eu sou a lenda
- O Código da Vinci
- ou Navegue por todas as críticas do Pílula

Eli está no meio de nós

» leia/escreva comentários (4)