Busca

»»

Cadastro



»» enviar

Ninguém sabe, ninguém viu

31.08.05

por Rodrigo Campanella

Hotel Ruanda

(Hotel Rwanda – África do Sul/Itália/EUA 2004)

Dir.: Terry George
Elenco: Don Cheadle, Desmond Dube, Sophie Okonedo, Nick Nolte

Princípio Ativo:
o que o jornal não viu

receite essa matéria para um amigo

Se ao final de Hotel Ruanda você se perguntar como é que não soube nada daquilo através do seu jornal preferido, com certeza está no caminho certo. O filme parece ser coisa das mais interessantes nesses tempos em que a imprensa é sucessivamente desmascarada (repórteres inventando fatos, capas inventando novidades requentadas) dentro ou fora desse Brasil. No entanto, Hotel parece ser mais importante como documento crucial sobre o silêncio dos jornalistas do que realmente um filme feito com brio para lançar um olhar mais forte sobre sua questão central – o Outro.

Descobrimos no filme que Ruanda, na África, é um país cindido entre duas etnias: hutus e tutsis. Opressivos no poder, os tutsis passaram a ser odiados pelo hutus, que num golpe de estado tomaram o controle do país. Um atentado que mata o presidente hutu, e impõe os tutsis como culpados, desencadeia a tão esperada vingança - uma matança que acabou dizimando 800 mil pessoas no meio das ruas de Ruanda, à base de facões e armas de mão. No meio da matança, um hutu gerente de um hotel belga, Paul Rusesabagina conseguiu, graças a uma série de favores pessoais acumulados, salvar mais de mil pessoas da morte certa. Um detalhe: os tutsis e hutus foram classificações dadas pelos colonizadores belgas, para criar uma elite artificial que permaneceria no controle político da colônia.

Hotel é filme indispensável, ainda que não seja um bom filme. Se o cartaz estiver pregado na porta do cinema, arranje um tempo para ir, mas não espere diversão. Por vezes é intragável suportar aquelas duas horas de um ambiente de morte - açougue humano realmente - tomando todas as bordas da tela. A sensação de caos é a única constante e o sentido de uma expressão como ‘valor da vida humana’ parece reduzido a uma piada, sem graça alguma.

No entanto, o filme acaba falhando naquilo que é mais essencial. Indicado ao Oscar de melhor roteiro original, parece ter sido adaptado às telas da metrópole Hollywoodiana com doses consideráveis de açúcar na trilha sonora e na relação de Paul com a própria família. O açúcar cai bastante mal e ficamos diante de um filme estranho. Na ânsia de elevar Paul à condição de herói, nunca fica claro o que o levou a salvar toda aquela gente. Apesar da proteção, o filme se nega a mostrar um mínimo contato do gerente com aquelas pessoas. Nunca aparece o olhar ou a fala do outro – estão salvos, mas continuam renegados. A morte ronda o Hotel, mas não parece alterar muito quando penetra nele. Com os entes queridos salvos, tudo parece correr bem. E o respeito à vida fica com o terrível cheiro de heroísmo patriarcal.

“Não é mentira, eles estão aqui mas realmente eu não sei quem é esse povo!”

» leia/escreva comentários (10)