Busca

»»

Cadastro



»» enviar

Mais do mesmo sem mistério

18.02.09

por Renné França

A Pantera-Cor-de-Rosa 2

(Pink Panther 2, EUA, 2009)

Dir.: Harald Zwart
Elenco: Steve Martin, Andy Garcia, Alfred Molina, Jean Reno, Emily Mortimer, Yuki Matsuzaki, John Cleese, Lily Tomlin, Jeremy Irons

Princípio Ativo:
repeat

receite essa matéria para um amigo

O diamante Pantera Cor-de-Rosa é roubado desde 1963. A última vez foi em 2006 e parece que as pessoas insistem em tentar enriquecer com ele, pois aconteceu outro. A série de filmes do desastrado inspetor Clouseau fez dinheiro, foi aposentada quando se desgastou (até Roberto Benigni já foi “O Filho da Pantera Cor-de-Rosa”), fez dinheiro de novo com Steve Martin e retorna agora com uma aventura que não está fazendo tanto sucesso assim nos EUA.

Clouseau é uma brincadeira com a palavra “pista” (clue, em inglês), mas na história do filme, a solução do mistério – e a lógica por trás das deduções - é o que menos interessa. O sucesso longevo da carreira do inspetor francês pode ser explicado a partir de algumas pistas que aparecem espalhadas pelo novo longa, “A Pantera Cor-de-Rosa 2”.

Pista 1: os suspeitos
Se já não adiantava comparar o diretor do filme de 2006, Shawn Levy, com o genial Black Edwards do original, imagina o que dizer agora. Sem um pingo de originalidade, Harald Zwart recicla movimentos de câmera e enquadramentos dos longas anteriores, que longe de uma homenagem, são uma tentativa de garantir risadas. O roteiro, por sua vez, usa a série de roubos, que leva à formação de um super time de detetives capitaneados por Clouseau, como pano de fundo para empurrar goela abaixo o máximo de situações absurdas chupadas dos outros longas, só que agora em escala maior.

Pista 2: as armas
Steve Martin puxa o elenco, mas seu humor físico passa longe das sutilezas de Peter Sellers. Seu Clouseau é um homem de ação, que aposta mais nas lutas e nos malabarismos do que nas deliciosas frases sem sentido dos filmes originais. O time de detetives é uma reunião de estereótipos, com Andy Garcia como o italiano sedutor, Alfred Molina como o inglês expert em dedução – além de um japonês perito em tecnologia e uma escritora sensual e misteriosa.

Pista 3: os lugares
A história se passa em Paris e Roma, mas o verdadeiro local do roubo do Pantera Cor-de-Rosa é mesmo a sala de cinema. É lá que as risadas revelam que ideias afanadas de outras produções podem render, sim, alguma diversão. E sempre vale pena ouvir a clássica trilha de Henry Mancini na sala escura.

“A Pantera Cor-de-Rosa 2” é uma cópia com alguma graça dos filmes anteriores. O elenco de estrelas desvia a atenção dos furos no roteiro e a histeria de Martin compensa os diálogos pouco inspirados. A fórmula é seguida à risca e quem gostou do primeiro vai gostar desse aqui. Mas talvez algumas pessoas já tenham se cansado de mais do mesmo...

Mais pílulas:
- Zohan: o agente bom de corte
- As loucuras de Dick e Jane
- A volta do Todo Poderoso
- ou Navegue por todas as críticas do Pílula

Fazer piada aqui? Nem que eu quisesse.

» leia/escreva comentários (0)