127 horas

Nossa avaliação
127 Hours (2010)
127 Hours poster Direção: Danny Boyle
Elenco: James Franco, Kate Mara, Amber Tamblyn, Sean Bott


“127 horas” não é um filme fácil. A história real do acidente ocorrido com Aron Ralston em 2003 é angustiante e beira o inacreditável. Ao cair em uma fenda de um cânion, o engenheiro (e alpinista nas horas vagas) teve o braço esmagado por uma rocha e permaneceu lá preso pelas 127 horas do título.

Filmes passados em um único cenário e com um único personagem (e além de tudo, imóvel) precisam de muito cuidado para não se tornar um tédio total. Normalmente, apóia-se em um roteiro que, além de se concentrar na situação extrema do personagem, traz vários flashbacks (na forma de memória ou alucinação) para dar um respiro à narrativa.

Mas nada disso funcionaria sem um diretor com um grande domínio técnico e um ator que consiga segurar a história duas horas sozinho. E “127 horas” tem os dois. Danny Boyle fez um filme poderoso. Em um ótimo prelúdio, o diretor abusa dos planos abertos, das cores e da trilha sonora esperta para passar uma idéia de liberdade. Aron é um aventureiro, um inconseqüente que ama a natureza e seus espaços amplos. As imagens que abrem o filme mostrando a multidão apertada  no metrô também servem a esse propósito: é daquela realidade que o personagem principal deseja fugir, das pessoas, do convívio humano e também da “prisão” urbana em que elas se encontram.

Isso é fundamental para o que virá a seguir. A partir do momento em que se encontra preso, Aron está não apenas isolado das pessoas, mas também da liberdade que tanto preza e que, ironicamente, buscava na natureza (a mesma natureza responsável pela sua prisão).

Boyle então fecha o quadro, em planos próximos, emoldurados pelos paredões do cânion.  O ambiente claustrofóbico funciona perfeitamente e o diretor abusa das texturas para aumentar a agonia do público, buscando colocá-lo em uma situação próxima daquela vivida pelo personagem.  A textura da rocha, do canivete, das gotas do suor e da água escassa enchem a tela para nos passar as sensações de dor, calor e sede.

Mas ciente das dificuldades de se acompanhar tanto sofrimento junto, o diretor consegue boas sacadas visuais e narrativas que dão uma leveza  à história, como a rápida edição que mistura diversos comerciais de refrigerantes. Por falar em comercial, talvez aí esteja o maior pecado de “127 horas”. São as mais variadas formas de merchandising, da câmera digital à bebida isotônica.  O excesso de propaganda tira um pouco a atenção da história, e por conseqüência, da imersão do espectador naquele cânion.

Mas é um pecado menor frente ao grande destaque do filme: como Aron Ralston, James Franco apresenta a performance da sua vida (até agora). O jeito irreverente do prólogo vai aos poucos sendo substituído por um desespero real, seguido por uma raiva de si mesmo até chegar à melancolia. O ator passa de um estágio ao outro com um talento absurdo, atuando de forma imóvel, usando quase que exclusivamente o rosto como forma de expressão.  Sua conversa solitária para manter a sanidade é principalmente feita a partir de falas de esperança que os olhos do ator desmentem, comovendo exatamente por conseguir demonstrar a complexidade daquela situação sem saída: ele precisa se animar para não entrar em desespero, mas na verdade está consciente da improvável salvação.

Pela própria força da história, o final não consegue muito fugir do melodrama. Mas Boyle poderia ter segurado um pouco a mão e mantido a narrativa direta (e por vezes irreverente) até o fim. Mas são problemas menores em uma produção que tem o poder de te transportar para aquelas 127 horas de dor e agonia. Não é recomendado para claustrofóbicos. Mas é um filmaço.

2 Comentários

  • Marcio Melo
    Em 19 de fevereiro de 2011 16:41 0Likes

    Sem dúvidas um grande filme, gostei bastante da sua crítica. Abraço!

  • Trackback: Steve Jobs - Pílula Pop

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • A gente
  • Home
  • Retro
  • Homeopatia
  • Overdose
  • Plantão
  • Receituário
  • Ressonância
  • Sem categoria
  • 2020
  • 2019
  • 2018
  • 2017
  • 2016
  • 2015
  • 2014
  • 2013
  • 2012
  • 2011
  • 2010
  • 2009