Um Lugar Qualquer

Nossa avaliação

[xrr rating=4/5]

Pode-se dizer que “Um Lugar Qualquer” é uma espécie de “Entourage”. Isso, é claro, se aquele seriado fosse um filme europeu…

Ao contrário da turma de amigos da tv, Johnny Marco (Dorff), protagonista do novo filme de Sofia Coppola, prova que a vida de um astro de cinema pode ser inacreditavelmente entediante. Ou talvez Johnny seja apenas um Vincent Chase mais velho, já cansado e acostumado com a fama e a riqueza.

Os planos longos, a câmera parada e o silêncio constante servem exatamente para reforçar o tédio de uma vida sem propósito, com um personagem passivo que é jogado de um lado para o outro segundo a agenda marcada por seus assessores. Coppola consegue tornar uma pole dance cansativa, usando um enquadramento fixo e ainda aproveitando duas gêmeas em frente ao espelho para deixar claro o universo de simulacros do protagonista: Johnny vive uma vida de cópias, de reflexos da realidade. É como se sua profissão de ator invadisse sua vida pessoal, fazendo dele um homem sem personalidade, uma espécie de objeto sem alma aguardando pelo próximo personagem.

É correto dizer que isso tudo torna o filme frio e monótono. Mas neste caso, não se trata de um demérito. O objetivo da diretora parece ser mesmo o de cansar o espectador, colocá-lo dentro daquele mundo em que nada acontece, em que não existem dificuldades a serem superadas (e o rosto impassível de Stephen Dorff serve perfeitamente a este propósito).

É aí que entra Cleo (Fanning). A filha de Johnny desestabiliza o mundo do ator pela sua simples presença. Neste momento, “Um Lugar Qualquer” lembra bastante “Encontros e Desencontros”, outro filme de Sofia Coppola que trata de um ator de cinema lutando contra o tédio e que, na relação com uma garota, passa a questionar sua vida e escolhas.

Pai e filha, entretanto, não compartilham nenhum tipo de afeto físico. Os quadros abertos da diretora deixam clara a distância entre os dois, sempre se relacionando de forma indireta: seja jogando Guitar Hero, ping pong, sentados nos bancos de um carro ou até mesmo dentro da água. A sequência na piscina é uma das mais tocantes e talvez a mais bela do filme. Ao som de I’ll try anything once, ela traz o momento de maior aproximação entre aqueles personagens que, apesar de se gostarem, não conseguem demonstrar isso de forma direta (a seleção musical da diretora, por sinal, continua excelente).

O final pode decepcionar um pouco, mas condiz com tudo o que foi mostrado até então. Mais do que um drama entre pai e filha, “Um Lugar Qualquer” é uma parábola sobre o isolamento humano e as grades invisíveis que a fama e o dinheiro podem erguer ao redor daqueles que, ao mesmo tempo em que são adorados por milhões, não possuem de fato nenhum amor concreto.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • A gente
  • Home
  • Retro
  • Homeopatia
  • Overdose
  • Plantão
  • Receituário
  • Ressonância
  • Sem categoria
  • 2020
  • 2019
  • 2018
  • 2017
  • 2016
  • 2015
  • 2014
  • 2013
  • 2012
  • 2011
  • 2010
  • 2009