Grey’s Anatomy – 8×13 If/Then

Nossa avaliação

E se nossa série favorita fosse diferente de como a conhecemos? E se Grey’s Anatomy fosse Webber’s Anatomy? Utilizando um recurso manjado no mundo das séries (só de cabeça consigo lembrar de “Friends” e “Desperate Housewives” fazendo o mesmo), “If/Then” mostra uma realidade alternativa que teria acontecido caso algumas decisões dos personagens tivessem sido diferentes.

If

E se Ellis Grey nunca tivesse adoecido e fosse a chefe de cirurgia no Seattle Grace Hospital?

E se Richard Webber tivesse tido a coragem de largar Adele, casar com Ellis e criar Meredith como filha?

E se Meredith, conhecida como Dra. Webber, tivesse desenvolvido a carreira à sombra da mãe fazendo tudo o que ela quisesse?

E se Alex Karev fosse um nerd bonitão, chefe dos residentes e noivo de Meredith?

E se April Kepner continuasse virgem, mas bem menos irritante e se tornasse a melhor amiga de Mer?

E se Miranda Bailey fosse conhecida como Mandy, ao invés de Nazi, reflexo de sua personalidade pacata e submissa?

E se Lexie tivesse perdido os dois pais e se tornado uma viciada em drogas com overdoses seguidas?

E se Addison e Derek Sheperd não tivessem se divorciado e esperassem um filho?

E se Callie Torres fosse casado com Owen Hunt com três filhos gracinhas?

E se Owen ainda sofresse dos traumas da guerra?

E se Cristina Yang fosse uma bitch, competitiva, arrogante e detonasse na cardio? Oh Wait…

Then

Então Ellis continuaria sendo a mãe e chief castradora que sempre foi interferindo na vida da filha e dos demais ao seu redor.

Richard continuaria sendo um porto seguro para o qual Meredith correria sempre que houvesse um problema.

Meredith acabaria se rebelando contra a figura da mãe,  se tornaria melhor amiga de Cristina e flertaria com Derek entre doses de tequila no Joe’s.

Alex continuaria sendo o mesmo babaca estragando tudo o que construiu.

April acabaria odiada por todos (desta vez por dormir com o noivo da melhor amiga).

Miranda ainda daria discursos motivacionais para os residentes.

Lexie ainda seria Lexiepedia.

O casamento, aparentemente dos sonhos, dos Sheperd seria uma bosta e o filho de Addison seria de Mark Sloan.

Callie continuaria lendo revistas na SO e seria tirada do armário por Arizona de qualquer forma.

Owen encontraria em Cristina a cura para o seu estresse pós-traumático.

E Cristina continuaria sendo a Cristina que nós amamos.

“IF/Then” é um daqueles episódios chamados pelos americanos de fillers, que servem para fazer volume no meio da temporada sem interferir no desenvolvimento da trama principal. Seu objetivo era divertir a partir do universo criado para a série durante esses oito anos, quebrando ou reforçando situações e características já conhecidas da história e seus personagens.

Apesar do discurso piegas no final de que o destino acaba sempre dando um jeitinho pra fazer acontecer o que tem que acontecer, valeu dar boas risadas com as menções à Izzie e George, respectivamente uma louca que roubou um órgão para o namorado paciente e um desistente que reprovou no teste do internato. Valeu rever Addison na melhor forma, bem longe do que a personagem se tornou em “Private Practice”. Valeu pelas piadas sobre “o” melhor amigo de Owen, Teddy. E valeu pelas reencenações dos momentos em que Derek descobre sobre o caso de Addison e flerta com Meredith no bar.

Mas ficamos aguardando ansiosos por um pouco de ação de verdade, no próximo episódio.

1 Comentário

  • Daniel
    Em 5 de fevereiro de 2012 18:34 0Likes

    Pelo menos não foi a vergonha alheia monstro do episódio musical… (bate na madeira =p).

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • A gente
  • Home
  • Retro
  • Homeopatia
  • Overdose
  • Plantão
  • Receituário
  • Ressonância
  • Sem categoria
  • 2021
  • 2020
  • 2019
  • 2018
  • 2017
  • 2016
  • 2015
  • 2014
  • 2013
  • 2012
  • 2011
  • 2010