Tão Forte e Tão Perto

Nossa avaliação

[xrr rating=2.5/5]

Só o primeiro capítulo de “Extremamente Alto e Incrivelmente Perto” é melhor do que todo “Tão Forte e Tão Perto”. O livro de Jonathan Safran Foer é criativo, divertido, interessante e consegue te pretender de uma maneira fascinante. Tudo que o filme de Stephen Daldry não faz.

Mas não sejamos cruéis. “Tão Forte e Tão Perto” não é nenhum desastre, é só mais um “filme pra Oscar” feito pelo carpinteiro preferido da Academia. O fato de Daldry ter tido todos os seus filmes indicados ao prêmio diz muito sobre o diretor: conhece a fórmula certa para agradar aos votantes e sabe fazer o jogo do marketing. Aqui ele coloca a carpintaria para funcionar de forma quase cirúrgica: criança disfuncional, dois atores oscarizados, coadjuvantes de peso (com direito a um “mudo”) e drama envolvendo os atentados de 11 de setembro.

Não tinha como errar. Mas Daldry erra. Ao optar por uma abordagem emocional do extremo racionalismo do garoto Oskar Shell (Horn), o diretor esvazia a complexidade da história, transformando tudo em um drama de superação da perda.

Oskar é uma criança brilhante (mesmo) que perdeu o pai nos atentados de 11 de setembro. Acostumados a fazerem “jogos” envolvendo mistérios com relação à cidade de Nova York, o garoto encontra uma chave que acredita ser uma mensagem do pai para ele e sai em busca da fechadura que aquela chave pode abrir. No meio do caminho, conhece diversas pessoas e ganha a companhia do Inquilino (von Sydow), enquanto relembra o dia dos ataques ao World Trade Center.

O foco do filme é a busca de Oskar (o garoto, não o prêmio… na verdade, acho que o foco é o prêmio mesmo), e ao colocar um objetivo claro que precisa ser alcançado, a história perde a oportunidade de entrar em uma discussão mais profunda a respeito do estado de entorpecimento dos americanos pós-11 de setembro. Hanks e Bullock (como o pai e a mãe de Oskar) fazem o feijão com arroz básico, enquanto Max von Sydow, Viola Davis e Jeffrey Wright roubam todas as cenas em que aparecem.

Daldry é competente e sabe o que fazer com a câmera, mas o filme possui altos e baixos demais para conseguir uma imersão total do espectador. A realização trôpega cria uma obra sem ritmo, que sofre tanto pelo roteiro de Eric Roth (que não dá conta de condensar de forma orgânica a busca de Oskar com o desenvolvimento dos personagens à sua volta) quanto pela necessidade do diretor em querer te fazer chorar a cada quinze minutos.

Algumas lágrimas podem até vir, mas “Tão Forte e Tão Perto” grita “fórmula” para todos os lados. É pouco diante do que a história de Oskar merecia no cinema.

2 Comentários

  • Daniel
    Em 24 de fevereiro de 2012 18:10 0Likes

    O livro é TÃO bom. E eles entenderam tudo errado. Acho que nunca vou perdoar o Eric Roth por reduzir o Oskar a um caso patológico mimado e mal resolvido. =/

  • Trackback: Jogos Vorazes: Em Chamas - Pílula Pop

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • A gente
  • Home
  • Retro
  • Homeopatia
  • Overdose
  • Plantão
  • Receituário
  • Ressonância
  • Sem categoria
  • 2020
  • 2019
  • 2018
  • 2017
  • 2016
  • 2015
  • 2014
  • 2013
  • 2012
  • 2011
  • 2010
  • 2009