Busca

»»

Cadastro



»» enviar

Spielberg a caminho

04.03.06

por Rodrigo Campanella

Munique

(Munich – EUA/2005)

Dir.: Steven Spielberg
Elenco: Eric Bana, Daniel Craig, Mathieu Kassovitz, Hanns Zischler, Geofrrey Rush

Princípio Ativo:
pipoca al dente

receite essa matéria para um amigo

A primeira vez que Spielberg atingiu a maturidade cinematográfica foi recente, num longa simpático e simples chamado ‘Prenda-me se for Capaz’. Sem milhares de planos abertos para mostrar efeitos especiais e dúzias de viradas de roteiro planejadas para aumentar as vendas de lenços de papel, ‘Prenda-me..’ é uma lição de bom uso de recursos – de atores a som. O resultado entrega honestamente o principal produto da franquia Spielberg: entretenimento em tela grande.

O melô exagerado e a habilidade em cativar o público pelas personagens estão em todos os filmes do diretor. Mas Amistad, O Resgate do Soldado Ryan e A Lista de Schindler deram um novo título a Spielberg: o de ‘artista sério e engajado’. É até possível imaginar rodinhas de intelectuais aceitando o antigo execrado diretor para um papo. Munique pertence a esse grupo de filmes – e comparado com os outros da pequena lista, que grande salto adiante ele é.

Diante da história – recriada em livro - do grupo secreto israelense encarregado de assassinar os mentores do Massacre de Munique em 72 (quando 11 atletas israelenses foram mortos por terroristas árabes), Spielberg parece ter tomado para si a difícil tarefa de amadurecer - como artista. Sua direção de atores, que só vinha melhorando, atinge grau máximo ao criar atrito com a ferida do sempre aberto conflito árabe-palestino, especialmente em Avner e Ephraim (Bana e Rush, respectivamente). A elegância nos enquadramentos faz par perfeito para a tensão do grupo israelense frente a cada assassinato, demonstrada em luz e som.

Mas Spielberg parece ter escavado tanto que enfim se deparou com uma rocha. Com todas suas variadas qualidades, ‘Munique’ deixa claro o limite de um filme de entretenimento para tratar de questões mais complexas. A corda é esticada ao extremo, mas é difícil acreditar que dois dias depois alguém ainda pense seriamente no conflito do Oriente Médio por conta do filme. Há uma grande chance de que a mão na consciência desça para o refrigerante ao fim da sessão e continue por lá.

Não há uma ‘razão’ para isso, mas pode-se especular um pouco. Do lado de Spielberg, parece ainda haver enorme dificuldade em dirigir momentos de densidade dramática, diluindo o texto interessante de Erich Roth e Tony Kuschner (Angels in América). Por outro lado, o jeito hollywoodiano de transformar História em almanaque (saiba como funcionava cada bomba!) e de escapar do maniqueísmo ‘bom’ e ‘mau’ transformando todos em mocinhos.

Árabes e israelenses assassinos recebem tratamento (variado) de heróis em ‘Munique’. Cada um tem sua ‘causa’ e ninguém discute a morte em si. Mas fica a garantia de um filme-espetáculo que impressiona.

Kassovitz e Bana procuram, sem sucesso, a paz de Spielberg

» leia/escreva comentários (5)