A Invenção de Hugo Cabret

Nossa avaliação

[xrr rating=4/5]

Eu não estaria sendo honesto se não admitisse que falta um pouco de conflito para preencher as quase duas horas de “A Invenção de Hugo Cabret”. Durante a primeira metade do filme, especialmente, paira uma sensação de que poderia haver algo mais em jogo ali. E mesmo na (emocionante) segunda, o espectador nunca sente que os personagens estão realmente em perigo.

Mas eu também estaria mentindo se não dissesse que é quase orgásmico ver Martin Scorsese ter acesso a um orçamento de mais de US$ 100 milhões para fazer uma declaração de amor ao cinema disfarçada de Harry Potter-wannabe. Mais que isso: sentir o entusiasmo quase infantil do cineasta por trás das câmeras, se divertindo como um garoto com uma ferramenta nova para seu brinquedo favorito. Redescobrindo sua paixão pela imagem em movimento a cada novo plano, explorando uma estação de trem em Paris como se nunca tivesse filmado lugar nenhum antes.

E essa devoção pela imagem em movimento é o tema e a essência de “A Invenção de Hugo Cabret”. Não por acaso, o prólogo é praticamente um curta-metragem mudo, com direito a trapalhadas busterkeatonianas protagonizadas por Sacha Baron Cohen e closes e supercloses emoldurados pelo belo cenário. Daí em diante, o filme vai adicionando o que fez do cinema o que ele é hoje: a chegada da narrativa (trazida pela paixão da personagem de Chlöe Grace Moretz pela literatura), os diálogos, a descoberta de um grande diretor capaz de usar tudo isso – e, por fim, um crítico-cinéfilo-apaixonado capaz de dar sentido à história.

No centro dela, o menino-título e sua busca pela “anima” – a alma que dará vida a um boneco, única herança deixada pelo pai. “A Invenção de Hugo Cabret” é um filme em busca de uma alma sobre um menino em busca de uma alma. E Scorsese encontra a anima de sua obra em um dos primeiros homens que soprou vida às imagens em movimento: George Méliès.

A grande pena é que o elenco infantil responsável pelo filme até esse ato final não empolga. Asa Butterfield não está à altura do sofrimento do protagonista, um órfão que vive escondido em uma estação de trem na Paris dos anos 20 após a morte do pai. E Chlöe Grace Moretz tem seu charme, mas não consegue carregar as cenas dos dois sozinha.

A tarefa fica para o elenco adulto. E Ben Kingsley, Helen McCrory e Michael Stuhlbarg vão te levar ás lágrimas, se você nutre pelo cinema pelo menos 1/10 do amor de Scorsese. “A Invenção de Hugo Cabret” é um testamento à capacidade de inspirar e transformar da sétima arte – e, especialmente, um apelo pela preservação de sua memória. Que Scorsese consiga fazer isso em uma produção deslumbrante, com a fotografia em 3D impecável de Robert Richardson e o design de produção digno de Oscar de Dante Ferretti, é de encher de alegria e esperança o coração de qualquer cinéfilo.

Da mise-en-scène vaudevillesca dos personagens secundários aos vários cartazes e referências, “A Invenção de Hugo Cabret” definitivamente não é um filme para crianças. É um filme para provar como o cinema pode fazer de todos nós uma criança: capaz de sonhar, imaginar e acreditar de novo.

P.S.: Cuidado pra não piscar e perder a cameo hitchcockiana de Scorsese em uma das sequências mais bonitas do filme.

7 Comentários

  • Livia Aguiar
    Em 26 de novembro de 2011 0:29 0Likes

    estou ansiosa pra ver esse filme há 2 anos já! Quando estreia no Brasil?

  • Daniel Oliveira
    Em 26 de novembro de 2011 0:32 0Likes

    Só em 17 de fevereiro do ano que vem, segundo o FilmeB.

  • larissa
    Em 29 de novembro de 2011 1:20 0Likes

    parece incrível visualmente mesmo, e só de ter um paralelo com Ratatouille já me anima mais ainda ^^

  • Renné França
    Em 13 de fevereiro de 2012 16:55 0Likes

    Perfeito o texto, Daniel. E lindo o filme.

  • Marinha Luiza
    Em 22 de fevereiro de 2012 13:44 0Likes

    Achei simplesmente incrível! Adorei tudo! Eu daria as 5 estrelas.

  • Trackback: O Lobo de Wall Street - Pílula Pop
  • Trackback: O Jogo do Exterminador - Pílula Pop

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • A gente
  • Home
  • Retro
  • Homeopatia
  • Overdose
  • Plantão
  • Receituário
  • Ressonância
  • Sem categoria
  • 2020
  • 2019
  • 2018
  • 2017
  • 2016
  • 2015
  • 2014
  • 2013
  • 2012
  • 2011
  • 2010
  • 2009