X-Men: Primeira Classe

Nossa avaliação

[xrr rating=5/5]

Abriram a caixa de Pandora...

Na “Ilíada”, poema épico de Homero do século VIII a.C, os deuses atuam nos bastidores, manipulando os humanos que são empurrados em direção a uma guerra: é típico da mitologia grega usar divindades para discutir a natureza humana.  Em “X-Men: Primeira Classe”, os deuses permanecem decidindo o destino da humanidade. Mas agora, estes seres superpoderosos são os mutantes, que guerreiam entre si em uma batalha que pode levar à 3ª Guerra Mundial.

O primeiro “X-Men”, dirigido por Bryan Singer em 2000, foi uma obra-chave para as adaptações de quadrinhos no cinema. Singer tirou os uniformes espalhafatosos, trocou a fantasia por ficção científica e conseguiu ancorar sua história em um clima realista (e que contou ainda com duas continuações bem sucedidas). É ele quem está por trás de “X-Men: Primeira Classe” (história e produção), mas quem dirige é Matthew Vaughn. A combinação de talentos resultou em um filme espetacular.

Como já é moda, a proposta de Singer foi voltar no tempo para mostrar a origem do grupo. Depois de “Star Wars”, “Cassino Royale”, “Batman Begins”, “Star Trek” e “Wolverine”, chegou a vez do Professor Xavier e Magneto terem seu passado revelado. “X-Men: Primeira Classe” só é possível graças a todos os filmes de super-heróis que vieram antes. Com este universo fantasioso já bem estabelecido no cinema, o roteiro pôde brincar com o gênero, sem se preocupar em justificar todos os personagens. As referências à trilogia anterior dos mutantes estão lá, jogando com o público que já sabe o que vai acontecer com aquelas pessoas e as escolhas que farão na vida. Mas isso não significa que o filme não tenha personalidade própria. Os personagens são muito bem desenvolvidos, com tempo para compreendermos suas motivações. Os mutantes tornam-se finalmente seres angustiados, e quem ganha com isso é Erik Lensherr, ou melhor, Magneto. O personagem cresce ainda mais em complexidade, auxiliado pela ótima atuação de Michael Fassbender, que equilibra insegurança, raiva e fragilidade de forma impressionante.

Emma Frost aka Rainha Branca aka Betty Draper em trajes mínimos

Com personagens bem desenvolvidos, Singer pôde colocá-los sem medo em um pano de fundo histórico real. A história começa em um campo de concentração nazista, repetindo praticamente quadro a quadro a sequência inicial do primeiro “X-Men”. Lá conhecemos o jovem Erik Lensherr, cuja infância de dor contrasta com a vida confortável de Charles Xavier (McAvoy): a diferença entre os dois já estabelece suas escolhas futuras. O filme salta para os anos 60, quando encontramos Charles e Erik já adultos e no meio de uma época conturbada. Atrás de um inimigo comum – o poderoso Sabastian Shaw (Bacon, ótimo) -, os dois irão se unir e criar a primeira classe de X-Men do título. Tudo em uma trama que, a la “Watchmen”, usa a Guerra Fria para mover os personagens (no caso, a Crise dos Mísseis de Cuba, que aconteceu em 1962).

Para que toda essa ambientação funcionasse, foi imprescindível a presença de Vaughn. Já acostumado em dar uma abordagem realista aos super-heróis com “Kick Ass”, o diretor aproveitou o colorido dos anos 60 para abusar de uma paleta de cores primárias que emula a tonalidade das páginas dos quadrinhos. Junto a isso, tomou liberdades com relação ao material original para inserir estes seres exagerados em um típico thriller de espionagem da época, uma aventura que roda o mundo misturando os romances de Tom Clancy com os clássicos “007” de Sean Connery (não por acaso “Moscou contra 007” é de 1963, mesmo ano em que a primeira revista dos mutantes foi lançada).

A imagem meio que resume toda a história

O resultado é preciso: as cenas de ação não são muitas, mas empolgam e ajudam a história andar. Tudo parece colocado da maneira certa, na hora certa. Há humor, drama, suspense e um espírito juvenil representado pelos jovens mutantes que faz um ótimo contraponto com toda a responsabilidade que pesa sobre os ombros de Xavier e o ódio que é carregado por Erik.

O elenco todo funciona bem, e os fãs vão se divertir ao reconhecer cada novo personagem que surge na tela. Mas “X-Men: Primeira Classe” pertence mesmo ao Professor X e Magneto. É a dinâmica entre estes dois deuses modernos que carrega todo o filme. Não apenas conhecemos as origens de suas convicções, mas também compreendemos os dois lados. Suas diferenças vão se tornando cada vez mais claras até o ponto em que aquela amizade se torna insustentável. É aí que percebemos que “X-Men: Primeira Classe” não é apenas um filme. É uma parábola sobre os nossos dilemas morais.

7 Comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • A gente
  • Home
  • Retro
  • Homeopatia
  • Overdose
  • Plantão
  • Receituário
  • Ressonância
  • Sem categoria
  • 2020
  • 2019
  • 2018
  • 2017
  • 2016
  • 2015
  • 2014
  • 2013
  • 2012
  • 2011
  • 2010
  • 2009